Agora o Blues com Z é 100% Blues Brasil.
Essa é nossa mais nova iniciativa para divulgar e incentivar o gênero no país.
De Norte a Sul do Brasil o Blues é praticado e estamos abrindo espaço para todo brasuca que queira expressar seu feeling Blues.
Continuamos com os bate-papos. Toda semana um nome ou uma banda nacional para nos contar como é fazer Blues por aqui.
"....O velho Blues não tem formato, nem receira, nem religião,a cor da pele não se mete nisso..."




Seja bem-vindo, o blues vai rolar! E como dizia o mestre Muddy Waters, "pedras que rolam não criam limo".

29 de novembro de 2007

Blues Brasil - 03/12/2007

FLAVIO GUIMARÃES E PRADO BLUES BAND (2006)

Resultado da bem sucedida parceria entre o gaitista Flávio Guimarães com a Prado Blues Band tem como convidados especiais o pianista Ari Borger e o gaitista Howard Levy.
" Brasil não é conhecido pelo blues mas Flávio Guimarães e Prado Blues Band estarão mudando isso com seu mais novo cd.". (
Jerry Hall - Antiga Motown, atual Pacific Blues): Produzido por Chico Blues & Igor Prado.

Blues Brasil - 03/12/2007

PRADO BLUES BAND
Esta nova banda de Blues Tradicional vem se aprofundando também num estilo pouco difundido no país, o Jump Blues ou West Coast Blues, uma fusão do Blues Tradicional com o Swing Jazz dos anos 30 e 40, é um tipo de Blues acelerado e dançante. No show a banda busca a maior fidelidade ao estilo tanto nos equipamentos originais da época e também no figurino e repertório que varia desde versões de Little Walter a Ray Charles. O Jump Blues ou West Coast Blues foi muito difundido nos Estados Unidos por artistas recentes como William Clarke, Rod Piazza, Kim Wilson, Mark Hummel, Junior Watson, Little Charlie Baty entre muitos outros ainda pouco conhecidos em nosso país.Os idealizadores do projeto são os irmãos Igor e Yuri Prado que já trabalharam com vários artistas do cenário Blues de São Paulo como Robson Fernandes, Sérgio Duarte e Marcos Ottaviano. Participaram de festivais junto com grandes nomes nacionais e internacionais da música como Rod Pizza,Kenny Neal, John Hammond, J.J Jackson, Billy Branch, Eric Gales, Holland K. Smith. Também gravaram com artistas de peso como Flávio Guimarães, Nuno Mindelis, Enrico Crivellaro, Donny Nichilo, Jamie Wood, Johnny Rover e Steve Guyger.
A banda conta também com a participação do gaitista Ivan Márcio que é um dos especialistas em blues tradicional no Brasil e o contra-baixista Marcos Klis que toca o Baixo acústico, instrumento pouco explorado pelas bandas da atualidadel.Lançaram seu primeiro disco intitulado “Prado Blues Band” em agosto de 2003 pelo selo independente paulista “Blues & Associados”.A repercussão do primeiro trabalho foi altamente positiva e inesperada resultando fortes elogios de artistas americanos do cenário West Coast Blues, reviews em revistas especializadas do gênero tanto no Brasil quanto nos EUA e convites de selos independentes de outros países.No ano de 2004 a Prado Blues Band tocou em vários estados do Brasil divulgando o primeiro disco e acompanhou alguns artistas internacionais como o guitarrista italiano Enrico Crivellaro (James Harman, Royal Crown Revue), o pianista de Chicago Donny Nichilo que já integrou a banda de Buddy Guy , o gaitista Johnny Rover, a cantora de Blues/Swing Jamie Wood e o grande gaitista Steve Guyger (tocou com o legendário Jimmy Rogers por vários anos).Em 2005 lançaram o segundo disco intitulado “Blues and Swing”, uma produção de nível internacional gravado no Brasil e na Califórnia que conta com participação de vários artistas como Nuno Mindelis, JJ.Jackson, Enrico Crivellaro, Johnny Rover, Jamie Wood. Steve Guyger, entre outros.Em 2006 estão lançando seu terceiro trabalho em conjunto com o grande gaitista brasileiro Flávio Guimarães, o disco está saindo no brasil pelo selo independente "Chico Blues Records" e na Califórnia pelo famoso selo Pacific Blues. As palavras de Jerry Hall, renomado produtor americano e dono da Pacific Blues Co. resumem esse terceiro trabalho:"O Brasil não é conhecido pelo blues mas Flávio Guimarães e Prado Blues Band estarão mudando isso com seu mais novo cd!"

Texto extraido do site da banda

http://www.pradoblues.com

Blues Brasil - 03/12/2007


FLÁVIO GUIMARÃES
Em vinte anos de carreira, Flávio Guimarães produziu quatro cds próprios e nove com o Blues Etílicos. Gravou dezenas de participações em discos de artistas dos mais diferentes estilos, tais como Titãs, Fernanda Abreu, Cássia Eller, Zélia Duncan, Luiz Melodia, Renato Russo, Zeca Baleiro, Fagner, Rita Lee, Kid Abelha, Ed Motta, Gabriel O Pensador e Alceu Valença, entre outros.
Foi escolhido duas vezes por B. B. King para abrir seus shows no Brasil, em 1999 e 2004. Tendo participado dos nossos principais festivais internacionais: Free Jazz, Rock in Rio II, Heinecken Concerts, Nescafé Blues e Natu Blues Festival, tocou com Buddy Guy em 1989 e 1991 e com Magic Slim em 1993 e abriu a turnê brasileira de Robert Cray em 1997.
O músico é o único endorser das gaitas Hohner em toda América do Sul.
Sua gaita pode ser ouvida em diversas trilhas e comerciais, destacando-se a recente Bang Bang, da Globo. Mesmo sendo basicamente um músico de Blues, Guimarães está finalizando um CD de música brasileira, onde uma das músicas, Girando na Renda, em parceria com Pedro Luís e Sérgio Paes, acaba de conseguir o terceiro lugar no Festival de Música da Cultura.
Flávio mantém um constante intercâmbio com alguns dos melhores gaitistas do mundo. Realizou shows e gravações com Charlie Musselwhite, Howard Levy, Mark Hummell, Mark Ford e Sugar Blue. Participou da banda que acompanhou Taj Mahal no Brasil, dentro do Heinecken Concerts, em 1999. O show se transformou em especial da TV Cultura. Fez parte também das bandas de Brian Lee e Walter Wolfman Washington em seus shows no país.
Sua apresentação na convenção mundial de gaitistas, realizada em 1996 nos Estados Unidos, rendeu uma ótima crítica na publicação especializada American Harmonica Newsletter: " Flávio tem um ótimo toque na gaita e imaginação que o leva bem além de uma performance convencional. Ele toca Blues com um estilo jazzístico e empolgou o público na convenção do SPAH, em St. Louis."
Em maio de 2003 apresentou-se em Miami com a banda Iko Iko, no Tobacco Road e com Bruce Ewan and the Solid Senders no Baltimore Blues Festival. Já tocou também na Holanda, Inglaterra e Argentina.
Em 2004, tocou no Festival de Blues e Jazz de Rio das Ostras, na mesma noite que Stanley Jordan. Abriu pela segunda vez, juntamente com o Blues Etílicos, o show de B. B. King no Rio. Foi convidado para ser o diretor musical da Natu Nobilis Blues Band. A banda, por ele formada, incluiu Nelson Faria e Otávio Rocha nas guitarras, Toni Botelho no contrabaixo e André Tandeta na bateria, além do convidado especial, Paulo Moura, no clarinete. Com um repertório mesclando blues, jazz e música brasileira e um show totalmente instrumental, a banda foi a principal atração nacional do Natu Nobilis Blues Festival, realizado nas cidades de Porto Alegre, Florianópolis e Curitiba em abril.
O maestro Paulo Moura retribuiu o convite, convidando-o para alguns dos mais expressivos festivais de música instrumental do país: o Festival Instrumental de Cascavel, no Paraná, em 2004 e o do Conservatório Musical de Tatuí, no estado de São Paulo, em 2005.
Ainda em 2005, participou do Festival Visa Blues and Jazz, em Búzios e no festival Música e Estilo, no Fashion Mall, no Rio. Fizeram parte da programação destes festivais nomes como Vernon Reid, Ed Motta, Leo Gandelman, Francis Hime, Yamandu Costa e Paulo Moura entre outros.
Lançou em novembro de 2005 seu quarto cd pela Gravadora Eldorado.
Em junho de 2006, Flávio preparou sua banda para uma turnê no Brasil com o lendário bluesman Charlie Musselwhite. Apresentaram-se juntos no Programa do Jô Soares e realizaram cinco shows nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro.
Seu novo cd, em parceria com a Prado Blues Band, sai dia 15 de agosto de 2006, pelo selo Chico Blues' Records.
Texto extraido do site oficial de Flavio Guimarães
http://www.flavioguimaraes.com.br

Entrevista - PAULO E DENISE - BANCA DO BLUES


O Blues com Z publica na íntegra a entrevista que Paulo Vanzillota deu para o blog Nanquim Maldito, de Renato Zanata, o Senador Cáustico, em setembro passado.
No programa da próxima segunda (03/12), vamos conversar com o casal, ao vivo, e saber mais sobre essa iniciativa de levar o Blues para as ruas do Rio, sujeito a todas as intempéries possíveis.
Não perca!!!!!!!

Nanquim: Meu caro Paulo, uma Banca sempre pelo Blues?
Como tudo começou?
Paulo Vanzillota: O nome "Banca do Blues" foi dado pelos próprios clientes do dia-a-dia, pois invariavelmente quando entram na banca para comprar lá está o velho e bom Blues rolando. Estou naquela esquina há 14 anos e o fato de sempre ouvir o Blues e suas vertentes fez o diferencial entre outras bancas da cidade. A idéia dos shows surgiu mais tarde, no ano passado quando o destino colocou um "maluco" no meu caminho.
Nanquim: Quais os músicos do cenário brasileiro de Blues com quem você primeiro travou contato?
De que forma isso se deu e quais foram os frutos iniciais destes contatos?
Paulo Vanzillota: Sempre fui assíduo frequentador de shows de blues e posso dizer que conheço os principais nomes da cena carioca justamente por prestigiar suas apresentações. Tive a oportunidade de ver as primeiras apresentações do Baseado em Blues, Big Allambik, Beale Street. Naturalmente me tornei amigo desses caras e dessa convivência acabei adquirindo alguma experiência que mais tarde pude utilizar na produção dos shows na Banca do Blues.
Nanquim: A Banca do Blues promovendo o gênero através de shows ao vivo?
Como surgiu o projeto?
Paulo Vanzillota: Como a grande maioria também acho estranho uma banca de jornais promover shows de blues. A idéia do projeto partiu do Jolt Telek, um húngaro que rodou o mundo e resolveu morar no Rio de Janeiro. Já conhecia o Jolt de vista, quando ele deu uma canja num show do Jefferson Gonçalves no Mistura Fina. Certo dia ele apareceu na Banca e puxou um papo sobre música, shows até que me disse: "Aqui cabe um happy-hour de Blues"...Achei a idéia muito louca e fiquei enrolando o cara. Toda semana ele aparecia lá ou mandava um recado pelo Orkut, até que um dia eu decidi fazer o show certo de que seria um fiasco e a figura desistiria. Na verdade em questões de público não foi um sucesso, poucas pessoas apareceram, na sua maioria músicos. Mas fiquei impressionado com a vontade com que o Jolt e o Cláudio Sangito, seu parceiro musical, tocaram e somado às canjas de amigos como Maurício Fernandes(Garganta Seca) e Léo Ventura(Destilaria), logo ví que algo novo estava acontecendo ali. Resolvi continuar com os shows e logo mais músicos se juntavam à nossa turma, pois estava surgindo finalmente um espaço para a galera tocar e tentar renovar o cenário do Blues carioca. Contando com o apoio incondicional da minha esposa, Denise, que graças ao bom Deus também é bluseira, seguimos com os shows passando por inúmeras dificuldades, sem nenhum tipo de apoio. Aos poucos fomos adquirindo equipamentos de audio e até uma bateria pra facilitar a vida dos músicos.
Nanquim: Como foi a resposta dos músicos, público e mídia aos shows na Banca do
Blues?
Paulo Vanzillota: Em relação aos músicos confesso que esperava mais apoio da parte de alguns. Por outro lado vários outros que se juntaram a nós foram fundamentais para o sucesso da Banca do Blues. Mauricio Fernandes(Garganta Seca), Léo Ventura(Destilaria), Elvio Turczineck(The Old Blues Band) entre muitos outros nos apoiaram de todas as formas possíveis ajudando na divulgação e também na produção. Como as apresentações ocorrem no meio da rua, temos todos os tipos de público presente, desde o curioso até o músico, e pela carência de locais que abrem suas portas para o Blues tivemos uma boa resposta nesse sentido. Como toda novidade logo o boca a boca tratou de espalhá-la e consequentemente a mídia apareceu. O primeiro jornalista que nos visitou foi o Mauro Ventura(O Globo) que escolheu um feliz dia na Banca do Blues, O Tributo a Eric Clapton, que lotou a esquina. A matéria foi para o Blog do Globo On Line e a partir disso vieram O Jornal do Brasil, O Globo, Folha do Centro, além das emissoras de TV, Record, Bandeirantes, TVE e JB.
Nanquim: Por que em geral os shows de Blues não apresentam Casas cheias?
O que fazer para mudar este quadro?
Paulo Vanzillota: Vejo muitos problemas nesse sentido. Em primeiro lugar existe certa má vontade da parte dos donos de espaços dedicados a música em relação ao Blues. Dificilmente se vê um show na sexta ou sábado, o máximo que liberam é na quinta-feira, sendo que agora já se marca para terça-feira, ou seja, casa vazia na certa. Outro problema é o horário, pois se o show é na quarta-feira e começa as 23 horas, com certeza vai espantar o público que no dia seguinte vai trabalhar cedo.
Nanquim: Quais os músicos de Blues que o Paulo e a Denise apreciam mais?
Paulo Vanzillota: A Denise é fã incondicional do Eric Clapton, além de gostar também do Gary Moore, BB King, Da minha parte além desses três acrescento Fredie King e Albert King. No cenário brasileiro, além de Celso Blues Boy, gostamos muito de Big Joe Manfra, Big Gilson, Blues Etílcos, entre outros.
Nanquim: O público que curte o Blues está se renovando?
De que maneira os músicos de Blues podem colaborar para mudar este panorama?
Paulo Vanzillota: Nos shows da Banca do Blues pude observar que muitos jovens compareciam e curtiam muito, sinal de que o Blues não é "música de velhos" como alguns pensam.Acredito que a renovação do público depende também da renovação da cena local. Aqui no Rio sempre que alguma casa abre espaço para o Blues temos sempre os mesmos nomes, não questiono a qualidade desta turma, mas os frequentadores acabam não aparecendo mais nos shows pelo fato de já terem assistido àqueles artistas. Existem várias bandas no Rio em condições de tocar em qualquer lugar, mas é preciso que lhes abram as portas.
Nanquim: Quais são os atuais projetos do Paulo e da Denise e o que poderá estar pintando mais pra frente de novidade para os amantes do Blues no Rio de Janeiro?
Paulo Vanzillota: A Banca do Blues teve que suspender seus eventos devido à reclamações de um vizinho. Como não esperávamos o sucesso alcançado não solicitamos no início a devida autorização da Prefeitura. Agora já conseguimos reverter essa situação e estamos dentro da legalidade.

BANCA DO BLUES
Av. Rio Branco, 311( esq. Com Av. Pres. Wilson ), centro, Rio.
Conheça o blog da banca - Link à sua direita.

Mudanças para melhorar

A partir desta semana, o blog terá algumas mudanças. Os mini perfís que publicamos aqui sobre todas as atrações que rolamos no programa darão lugar às ENREVISTAS pontuais com nossos convidados e perfis completos dos nomes e bandas Nacionais que apresentamos. Estaremos publicando acima a entrevista que Paulo e Denise da Banca do Blues deram ao blog Nanquim Maldito de Renato Zanata, o Senador Cáustico, em setembro passado e o trabalho realizado pela parceria de Flávio Guimarães e a Prado Blues Band e, suas trajetórias.
Assim, você vai conhecer com riqueza de detalhes, não apenas um mini perfil e sim um quadro mais abrangente dessas figuras que fazem o Blues no Brasil.
Os mini perfis das outras atrações você terá no programa intercaladas com a música dos mesmos. Para conhecer melhor o que rola no lado B do Blues e suas raridades é só ouvir o Blues com Z às segundas ao vivo, 9 da noite e suas reprises: quinta, 9 da noite e domingo, às 3 da tarde.
Essas mudanças são necessárias para atingirmos nosso objetivo que é mostrar o Blues sem cair no lugar comum e sim, contar a verdadeira história deste gênero musical secular que continua vivo, que se rejuvenesce de tempos em tempos, criando novos adeptos pelos quatro cantos do mundo com seus diversos sotaques.

Atrações 03/12/2007



O Blues com Z da próxima segunda (03/12) vai destacar dois exemplos do Blues Rock do século 21: A cantora e guitarrista texana Becky Barksdale (1976) (foto) e o guitarrista, também texano, Eric Tessmer (1984). Outro destaque desta edição é o guitarrista veterano do West Side Song de Chicago, Eddie C. Campbell (foto). No Blues feito no Brasil, nossa atração é o gaitista pioneiro Flávio Guimarães acompanhado pela Prado Blues Band. No nosso bate-papo semanal, o casal Paulo e Denise, da Banca do Blues do Rio de Janeiro (leia a entrevista pontual do casal acima), falando sobre a revolucionária iniciativa de levar o Blues para as ruas.
Você pode participar, ao vivo, do programa, interagindo, através do Chat da Zero Rádio com comentários e opiniões.
O Blues com Z trabalha à serviço do Blues e da música de qualidade.
Participe!!!!!!!!!!

27 de novembro de 2007

Próximo bate-papo 03/12/2007

A Banca do Blues - Paulo e Denise
Na próxima segunda (03/12), vamos bater um papo com Paulo e Denise (foto), os responsáveis pela Banca do Blues, centro do Rio de Janeiro, esquina da Avenida Rio Branco, 311, com Avenida Presidente Wilson.
A Banca do Blues é o grande ponto de encontro entre os amantes do blues nas noites de sábado no Rio de Janeiro. É lá que acontece o Projeto Blues na Banca, por onde já passaram diversas bandas e músicos do gênero. A noite sempre começa com Jolt Telek e Cláudio Sangito recebendo os amigos para uma jam-session e embalando a galera com as mais surpreendentes e fantásticas melodias. Sob a administração de Paulo Vanzilotta e Denise do Amaral, a Banca do Blues vem abrindo espaço para que os músicos coloquem em prática seus talentos em um espaço democrático e onde todos se divertem e sempre saem satisfeitos.
A idéia surgiu após uma conversa com o Bluesman húngaro, Jolt Telek, que visualizou na banca um local ideal para se fazer um som ao ar livre, levando ao público que pouco ouve falar em Blues, muito menos assistir a um show.
Imperdível!!!!!!!!

22 de novembro de 2007

Atração 26/11/2007


06. Bate-papo com Cezar Heavy/Tublues

Nesta segunda (26/11), nosso convidado para um bate-papo no Blues com Z é Cezar Heavy, baixista/cantor do Trio de Blues Rock Tublues (ver outras postagens do Trio, aqui), fundado, em 1999, na cidade de Lorena/SP.
O power trio Tublues é formado por:
Cezar Heavy - baixo e vocais
Jairo Martins - guitarra
James Buri - bateria
www.tublues.abarata.com.br



Atração 26/11/2007

05. O Blues feito no Brasil

c) André Cristovam - O guitarrista paulistano André Cristovam é um dos pioneiros músicos de Blues do Brasil. Em 1976, inicia com Nelson Brito e Paulo Zinner o Fickle Pickle, um trio com um som pesado, mas com um interessante tempero bluseiro. No final de 1988 começa a gravar o álbum "Mandinga", seu primeiro disco pelo selo Eldorado. Um trabalho que pelo ineditismo de ter todas as suas letras em português, torna-se um marco da discografia do blues nacional. Em 1990, lançou o álbum "A Touch of Glass" e no ano seguinte, gravou o disco "2120 Sessions" no lendário estúdio Chess em Chicago com a participação do veterano bluesman, ja falecido,Andrew Odom.
Já dividiu palco com inúmeros mestres de Blues e outros tantos músicos nacionais e internacionais ao longo de mais de 30 anos de estrada e nos últimos anos vem fazendo novas experiências com o Blues, exemplo disso, podemos ouvir no CD "Bonzo", de 2002 e, falou sobre isso: "Lá fora, quem desbrava novos caminhos para esse gênero centenário é considerado ousado e até visionário. O blues já soube fundir-se a gêneros tão diversos como jazz, rock, tecno, reggae, hip hop, música árabe e africana. “Por que recusar a influência da música brasileira, uma das mais ricas do mundo? Esta é uma evolução lógica”, afirma André. E continua: “Eu não descarto vir a fazer, no futuro, um bom disco com canções que já tenham sido gravadas por outros artistas, obras de outros autores..."

Atração 26/11/2007

05. Blues feito no Brasil

b) Blue Jeans - Formado em 1986, o Blue Jeans é uma das bandas pioneiras de blues no Brasil, numa época em que o mercado para o estilo no país era incipiente. A Banda foi criada pelo cantor e guitarrista, já falecido, Allan Marcus. Em 1990, com a entrada de Junior Moreno na bateria o grupo assumiu a postura de power trio. Em 93, Allan Marcos sai para a entrada de Marcos Ottaviano (ex Cia. Paulista de Blues). O baixista Andrei Ivanovic entrou para o grupo em 96. O trio lançou o 1º CD “Blue Jeans”, com releituras paraclássicos do Blues e composições próprias como a bem sucedida mistura de Forró com Blues, na faixa ForróBlues interpretada por Genival Lacerda e a bem humorada e já clássica do Blues nacional “Cachaceiro”.
O Blues Jeans participou dos maiores festivais de Blues do país, abriu shows de Buddy Guy e B.B. King e acompanhou grandes nomes do Blues mundial.
Em 2003, lançou o CD "Come Back Home" que chegou ao Top 10 de rádios especializadas em Blues norte-americana.Em novembro de 2005 o Blue Jeans gravou seu 1o DVD com a participação especial de um dos maiores mitos do blues mundial, o blues man "Magic Slim", que veio ao Brasil especialmente para realização desse trabalho.

Atração 26/11/2007

05. O Blues feito no Brasil

a) Irmandade do Blues - É a mais antiga banda de Blues de São Paulo com a mesma formação.
Fundada em 1992, a Irmandade do Blues (marca registrada) provavelmente foi o primeiro quarteto paulista de Blues e derivados a lançar um CD - "Veneno" - por uma gravadora (Eldorado) em 1996, e que foi muito admirado pela critica especializada, com direito a solos psicodélicos de guitarra e gaita (e até de microfonia), som de batera virtuoso e linhas de baixo altamente criativas. O CD -"Good Feelind"- lançado no ano passado é o retrato vivo de todos esses anos de estrada.
Vasco Faé - Gaita, guitarra e voz, Edu Gomes - Guitarra, Silvio Alemão - Baixo e Fernando Loia - Bateria

Atração 26/11/2007

04. Bob Margolin(1949)
Nascido em Boston,MA , começou a tocar guitarra aos 16 anos inspirado em Chuck Berry. Quando conheceu a música de Muddy Waters aprofundou-se na "Old School" do Chicago Blues. Em agosto de 1973, foi convidado pelo mestre a entrar para sua banda permanecendo até 1980. Uma de suas participações mais conhecidas ao lado do "Águas Barrentas" aconteceu, em 1976, na "The Last Waltz", do The Band, filmado por Martin Scorsese.
Somente em 89, gravou seu primeiro disco solo.Em 93, gravou seu primeiro trabalho para a Alligator Records, a maior gravadora independente de Blues do mundo. Acompanhou Pinatop Perkins durante muitos anos. Ganhou vários "Handy Award", prêmio máximo para os melhores músicos de Blues. Seu álbum mais recente foi gravado ano passado, "
In North Carolina".

Atração 26/11/2007

03. Big Jack Johnson (1940)
Conhecido como "The Oilman", ou simplesmente Jack, é considerado um dos melhores guitarristas vivos nativos do Delta. Cada vez que sai de Clarksdale, Mississippi, sua cidade natal, é ovacionado pelas novas platéias de Blues.
Ao contrário de muitos Bluesmen, Big Jack permaneceu no Delta e continua a fazer a sua casa no mesmo lugar que ele começou nos anos 50. Não que ele não tenha viajado. Já fez inúmeras tournês européias e no Japão e Festivais de Blues, coast to coast, por todo EUA.
Participou do filme
Black Snake Moan (2006) ao lado de Samuel L. Jackson nas músicas"Jack's Blues" e"Catfish Medley.

Atração 26/11/2007

02. Blues Allstars
Em Setembro de 2002, um grupo de músicos de Blues de várias partes do mundo (EUA, Canadá, Inglaterra etc) reuniram - se na Kitty's Well Junction's Studio, em Nashville, Tennessee e gravaram um cd em homenagem ao Blues. Ficaram cincos dias no estúdio e registraram 15 músicas.
O curioso nisso é que nunca tinham se cruzado antes e se conheceram na internet através de troca de e-mails e do MP3.com Blues Forum Message Board, site de compartilhamento de arquivos e, resolveram se juntar para compartilhar da mesma paixão, o Blues. O resultado foi o cd The Nashville Session.

Atração 26/11/2007

01. Bernie Clarke & The Rhythm Sharks

O gaitista Bernie Clarke criou os RHYTHM SHARKS ou"Os Tubarões do Ritmo" em New York há dez anos atrás e são considerados pela SAMMY (Syracuse Area Music Award) como a melhor banda de Blues da categoria. Clarke, tem em Charlie Musselwhite e Litlle Walter suas maiores influências e os Tubarões aliam muito swing dos boogie woogies com os poderosos riffs das guitarras do Chicago Blues.Burnie Ckarke &The Rhythm Sharks foi uma das 24 atrações do Woodstock 99, em Rome,NY, um mega evento em comemoração aos 30 anos do maior festival de música de todos os tempos.Os Tubarões são: Seth Rochford (guitarra e vocal), Bob Sherwood (baixo), Rock Carbone (bateria) e Bernie Clarke (gaita).

21 de novembro de 2007

Atrações 26/11/2007

A edição do Blues com Z da próxima segunda (26/11) reserva aos amantes do Blues uma seqüência de atrações das mais sugestivas. O programa vai destacar (exceto a Blues Allstars, banda ocasional de músicos de vários países) artistas do Blues norte-americanos do mais alto calibre, com vasta bagagem e atualíssimos. Vamos rolar o gaitista novaiorkino BERNIE CLARKE e os Tubarões do Rítmo (THE RHYTHM SHARKS); BLUES ALL STARS, reunião de músicos de vários países para tocar Blues; BIG JACK JOHNSON, cantor e guitarrista de Clarkedale, Mississipi; o guitarrista BOB MARGOLIN, acompanhou (foto) por quase 1o anos o mestre do Chicago Blues, MUDDY WATERS e o Blues feito no Brasil. Nosso bate-papo semanal, mais Blues Rock nacional, com o baixista/cantor, CEZAR HEAVY, fundador da TUBLUES.
Tudo isso com sua participação no Chat da Zero.
A partir desta sexta, um mini perfil de todas as atrações aqui no blog do Blues com Z.

Bate-papo da próxima segunda


Em virtude dos problemas de conexão ocorridos na edição de segunda (19/11) o Blues com Z está reconfirmando para a próxima edição (26/11) o bate-papo com CEZAR HEAVY (foto), baixista/cantor e fundador da TUBLUES, power trio de Lorena/SP, criada em 1999 e que resgata a essência do Blues e do Rock'n'Roll dos anos 60 e 70, influenciada pelas bandas Made in Brazil, Casa das Máquinas, Stevie Ray Vaughan, Led Zeppelin entre outras bandas da época, além do Blues de Raiz.
Além da TUBLUES, CEZAR tem muita história para contar, entre outras coisas, sua formação rockeira na Zona Leste de Sampa. Imperdível!!!
Você pode conhecer melhor o trabalho da TUBLUES no site www.tublues.abarata.com.br
e também toda a trajetória de seus integrantes.

19 de novembro de 2007

Pequena História do Blues Brasil - Final

Muitos dizem que o Blues é elitista, a mídia não divulga, cantar em português ou inglês, o público não se renova etc.
Todos conhecemos o Brasil e suas eternas carências, principalmente a falta de cultura musical de sua população (não por culpa dela). Até o samba é marginalizado, imagine o Blues, que também é negligenciado em seu próprio país de origem. Hoje vivemos o ápice da cultura de consumo (compre-use-joga fora).
O Blues feito no Brasil é considerado um dos melhores do mundo. Existe por aqui um grande número de nomes e bandas de altíssimo nível.
Nos últimos anos, o intercâmbio de músicos nacionais com grandes nomes do Blues internacional vem crescendo. Novas experiências musicais, ou fusões do Blues tradicional com ritmos brasileiros, estão sendo praticados com ótimo resultado. Em quase todo país, vem acontecendo festivais de Blues.....
Enfim, o Blues feito no Brasil só não está melhor devido as próprias circunstâncias de sobrevivência como um todo. Mas isso não significa quase nada em relação a grandeza do Blues, gênero musical secular descoberto por aqui há menos de 30 anos!


Pequena História do Blues Brasil - 2a Parte


No final dos anos 80, mais precisamente num final de semana de junho de 1989, em Ribeirão Preto/SP, acontece o primeiro festival especializado de Blues no Brasil. O elenco deste debut foi de tirar o fôlego: Buddy Guy, Junior Wells, Albert Collins, Magic Slim e Etta James. Do lado brasileiro os pioneiros André Cristovam (foto) e a Blues Etílicos (foto).
Em 1990, o 2o festival aconteceu em São Paulo, no ginásio do Ibirapuera e as atrações: Koko Taylor, Bo Diddley, Magic Slim, John Hammond, The Kinsey Report & Big Daddy Kinsey. Em 94, o marketing entrou na parada e acontece o 1o Nescafé & Blues (vieram + 3).
Os anos 90, transformaram o Brasil em rota para o Blues, não só de apresentações de grandes nomes do gênero, como a indústria discográfica descobriu que no país existiu um público ávido por Blues. Começou a surgir uma infinidade de nomes e bandas de Blues de Norte a Sul do país e também casas especializadas. Foi formada aí, uma cultura pró Blues bastante fértil e sua verdadeira história começou a ser contada. Blues é Blues!!!...continua....

Pequena História do Blues Brasil - 1a Parte


Apesar de ser o mais antigo, o Blues foi o último dos estilos musicais a invadir o Brasil.
Graças aos modernos meios de comunicação, o Blues expandiu-se pelo mundo e chegou ao Brasil através do cinema na década de 20 no filme "O Cantor de Jazz", com Al Jolson, em 1927 e principalmente ao rádio e aos discos, o jazz aportou por aqui com força total.
Nos anos 30 e 40, vieram as Big Bands da Era do Swing. O Blues pegou carona no repertório do jazz, como pegou carona no Rock'roll dos anos 50, rock britânico dos anos 60, até os extremos da New Wave com o Punk dos anos 70. Só em meados dos 70 começaram a brotar aqui as primeiras bandas exclusivas de Blues, em sua maioria formada por jovens brancos de classe média saturados de rock e que não conseguiram encontrar na MPB uma identificação para seus anseios e seus estilos de vida.
Na MPB e no Rock nacional dos anos 70, ouvimos os primeiros Blues nas vozes de Gal Costa(Vapor Barato/1971/Macalé-Salomão), Elis Regina(Black is Beautiful/1971/Valle-Valle) e em bandas de rock como Made in Brazil, Ave de Veludo, Celso Blues Boy (foto). Destes, apenas Celso investiu no Blues. Na época, os formadores de opinião/imprensa envolvidos com rock chamavam o Blues de "rock-baladas".
Os festivais de jazz de São Paulo (1978 e 1980), Rio-Monterey (1980) e Free Jazz, a partir de 1985), trouxeram ao Brasil importantes figuras do Blues, como John Lee Hooker, Champion Jack Dupree, B.B.King, Albert King , Albert Collins, Big Joe Willians, Clarence "Gatemounth" Brown, Bo Diddley. A noite de Blues do Free Jazz tornou-se a mais concorrida do festival, reunindo 'bluesmen' de todas as matizes, velhos e novos, brancos e negros....continua....
Fonte: BLUES -Da Lama à Fama: Roberto Muggiati/1995.

16 de novembro de 2007

Atração 19/11/2007


06. O Blues feito no Brasil
Tublues


Com a intenção de resgatar a essência do Blues e do Rock'n'Roll dos anos 60 e 70, é que surgiu a banda Tublues, em 1999 em Lorena (SP), influenciada pelas bandas Made in Brazil, Casa das Máquinas, Stevie Ray Vaughan, Led Zeppelin entre outras bandas da época, além do Blues de Raiz.
O power trio TUBLUES é formada por:
Cezar Heavy - baixo e vocais
Jairo Martins - guitarra
James Buris - bateria
www.tublues.abarata.com

Atração 19/11/2007


05. O Blues da Suécia

A BLUETONES foi um grupo de vida curta, durando 5 anos (1986-1990) e causando muito impacto na cena Blues Rock sueca, principalmente pelos vocais de Sue Sergel (foto). Era formada por: Sue Sergel, vocais; Pelle Lindberg (foto), guitarra;; Anders Tjernberg , guitarra; Martin Sohlberg, baixo e Hans Nordenberg, bateria.
Liderada pelo guitarrista veterano Pelle Lindberg, um dos maiores nomes do Blues escandinavo, a BLUETONES sucumbiu devido a problemas pessoais de seus membros. Cada integrante hoje segue carreiras solo. Sue, na Örjan Hill , Lindberg firme e forte com sua nova banda, a PELLE LINDBERG BAND.

Atração 19/11/2007


04. O Blues da Noruega

A Double Dice Blues Band é uma banda de Blues Rock formada em Eidvoll norte da Noruega. Começaram a se apresentar em 2000. O primeiro nome do grupo, Loud'n Proud, causou problemas devido a rivalidade com outra banda local que revindicava o nome. Em 2003, resolveram trocar para Double Dice Blues Band. É formada por:
Morten Gundersen (25), Lead Vocals; Rune Lien (25), Lead Guitars;Tor Håkon Sørlie (28), Guitars e Roger Jacobsen (26), Bass Guitars and Vocals. Além de interpretarem clássicos do Blues, possuem composições próprias que vamos ouvir nesta edição do Blues com Z.

Atração 19/11/2007


03. O Blues Italiano

A BIG FAT MAMA foi criada em 1979 pelo cantor, compositor e baixista genovês Piero De Luca. De 85/90, teve sua formação mais reconhecida, com Paolo Bonfanti e Maurizio Renda nas guitarras; Mauro Murra, bateria e Fiorenzo Bodellini na gaita. Gravaram 3 álbuns pela Cobra Records.
Naquele período foi condiderada uma das maiores bandas de Blues Rock italiana. Participaram do Milano Blues Festival com as presenças de Johnny Winter, Los Lobos e Stevie Ray Vaughan e, em inúmeros outros Festivais.
Nos últimos anos, De Luca e a BIG FAT, com diversas formações, seguem na ativa onde lançaram, em 2003, o disco "Goin' Back Home".

15 de novembro de 2007

Atração 19/11/2007



02. O Blues Asiático

Kim Mok-Kyoung e JustBlues

O guitarrista e cantor de Blues Rock Sul-Coreano, KIM MOK (foto) é uma grande celebridade em seu país.
Na adolescência, nos anos 80, começou a tocar guitarra acústica e se apresentar em clubes locais tocando Country & Western dos populares, Kris Kristofferson, Dolly Parton e John Danver. Mas foram os guitarristas Eric Clapton e Stevie Ray Vaughan que o levou para a estrada. Tem vários álbuns gravados e se apresenta constantemente no Japão e outros países Asiáticos.
Já a banda Justblues (foto), nome de um blues night club em Seul, fundada em 1995, tem a liderança do guitarrista e tecladista Chain Whoian e formada por músicos coreanos e japoneses. A casa é o maior reduto de Blues da Ásia, onde passaram grandes nomes como BB King que, em suas visitas por aquele continente, sempre participa de Jam com os músicos da JustBlues.

Atração 19/11/2007



01. O Blues na Polônia
Leszek Cichonski e Anika


Já mostramos no Blues com Z, TADEUSZ NALEPA, um dos pioneiros do Blues polonês. Desta vez nossos destaques são: o guitarrista LESZEK CICHONSKI e a cantora ANIKA.
CICHONSKI, 50, é considerado em seu país um dos melhores guitarristas de Polish Blues da atualidade. Tem em Jimi Hendrix seu catalizador sonoro. Antes de cair na estrada em definitivo, formou sua primeira banda em 1991, CICHONSKI criou o projeto/curso, "Blues Rock Guitar Workshop", difundindo a formação de novos guitarristas. Sua banda, GUITAR WORKSHOP, é uma espécie de John Mayall & Bluesbreakers, uma atêntica banda/escola de blues da Polônia.
ANIKA,34, debutou na música em 1993. Suas influências:
Bonnie Raitt, Emmylou Harris, Joan Baez, Joni Mitchell, James Taylor, Melissa Etheridge, Aretha Franklin, Koko Taylor, Neil Young, The Beatles, Eric Clapton, B.B. King, Mudy Waters, The Eagles, Tracy Champman.
Em 2000, participou, ao lado de
LESZEK CICHONSKI (foto), do projeto e disco, " Blues Rock Guitar Workshop - Thanks Jimi, tributo à Jimi Hendrix, com grande repercussão na Europa.

14 de novembro de 2007

Atrações 19/11/2007



O Blues com Z da próxima semana vai mostrar a real universalização do Blues. Uma das principais propostas do programa é sair do lugar comum e garimpar o Blues atual feito nos quatro cantos do mundo com todos os seus sotaques.
Nessa edição (19/11), você vai ter o Blues feito na Ásia em países como o Japão, a Korea (Kim Mok -foto), passando pelo Leste Europeu como a Polônia (Anika-foto); a Itália, onde o Blues é muito difundido e, claro, o Blues feito no Brasil com a TUBLUES do baixista e vocalista CEZAR HEAVY que estará ao vivo no programa para nosso bate-papo semanal, inclusive participando do chat da ZERO RÁDIO. E o Blues com Z não pára nisso. Tem o sorteio de uma camiseta oficial do programa para quem souber qual é a banda que vamos perguntar.
Nossos 'Velhos Mestres de Blues" deixaram um legado inigualável, transcedendo culturas e línguas, pois, todos sabemos, o sentimento verdadeiro não tem fronteira.
A partir de amanhã, estaremos publicando um mini perfil de todos as atrações desta edição!

13 de novembro de 2007

Próximo bate-papo 19/11/2007

CEZAR HEAVY - Deus salva...o Rock alivía!!!

O próximo bate-papo do Blues com Z (19/11) tem como convidado, CEZAR HEAVY (foto), baixista e vocalista do Trio TUBLUES.
HEAVY, como é conhecido, já passou por vários grupos pesados (death/thrash, heavy metal, hard), bandas de Clássic Rock e Rock Nacional. Em 99, fundou a TUBLUES.
Nos dias de hoje está fazendo os costumeiros Free Lancer, segue com a TUBLUES e a CREEDENCE ROCK’S que faz, é claro, cover do Creedence Clearwater Revival ,mantém seu projeto BRAZILIAN STONER ROCK’N ROLL que é um projeto de lançamentos de CDs virtuais para divulgação das bandas independentes que tem dificuldade em mostrar seu trabalho.
Você pode conhecer mais este músico nos sites:
http://cezar-heavy.no.comunidades.net
http://bandasdegaragem.uol.com.br
http://tublues.abarata.com.br

Como na célebre frase "Deus salva...o Rock alivía", CEZAR HEAVY tem na música, especialmente no Rock and Roll, seu combustível de sobrevivência.
Papo imperdível!!!!!!!



12 de novembro de 2007

Saiba mais sobre o Blues com Z


Blues com Z: Idéia velha com mentalidade nova

Há quase 2 meses no ar na Zero Rádio Web www.zeroradio.com.br , o Blues com Z não é um simples programa de Blues tocando velhos clássicos do gênero para dizer que ainda está vivo. Além de vivo com as veias latejantes, o Blues é um dos gêneros musicais que mais se renova no universo musical. Exemplo disto, mostramos no programa o que há de mais atual no Blues mundial e com todos os sotaques. O Blues não se resume ao velho lamento dos pioneiros que viviam todo tipo de agrúrias das suas épocas ou servindo de fonte para as velhas Big Bands dos anos 40 e, para o Jazz de todos os tempos. No Brasil, por exemplo, o nome Blues só foi devidamente reconhecido a partir dos anos 80 já que, até então, o Blues era rotulado como baladas e rock. Hoje ele consegue ser referência em quase todo estilo musical contemporâneo e usa, sem desprezar o acústico, da mais avançada tecnologia para fazer soar seus acordes o mais alto possível, deixando seu filho mais novo, o rock and roll atual, com ares de mal passado.
A idéia de fazer um programa de Blues mostrando seu lado B, isto é, fora de seus manjados clássicos e sim o seu underground vivo no mundo inteiro, é uma velha idéia de Johnny Adriani, produtor musical do programa e possuidor de um dos maiores acervos de Blues Rock Underground já visto. Johnny, que desde os anos 70 está envolvido com o rock nacional, produzindo cenários para shows, capas de discos das principais bandas entre outras coisas, vinha procurando espaço para mostrar e elucidar a verdadeira cara do Blues atual. Em 2001, a idéia quase se concretizou na 89FM – Campinas, com o 89+Blues , que não se tornou realidade devido a desistência do patrocinador em cima da estréia. Agora, em 2007, com novo convite de Rony Viana, coordenador artístico da Zero Rádio. o mesmo da 89 FM da época, o Blues com Z se tornou realidade e vem mostrando a verdadeira mentalidade e alma do Blues moderno.

Parceria

Responsável pela produção musical e criador do designer gráfico da marca Blues com Z (nome que segue a linha da emissora – Zero Rádio), Johnny Adriani chamou, novamente, Edu Soliani, que seria o apresentador do 89+Blues, para comandar o Blues com Z. Edu, outro apaixonado pelo gênero, há quase 20 anos produzindo e apresentando programas de Blues em emissoras de rádio e TV (criou o primeiro programa de Blues da TV brasileira – Rota do Blues) pelo interior paulista, expert no assunto e, principalmente, amigo de longa data de Johnny, comungou com a idéia, consumando assim, a parceria. Além da apresentação do Blues com Z, Edu Soliani redireciona o formato do programa e escreve todos os textos do blog www.bluescomz.blogspot.com , extensão do programa onde fornece um mini perfil de todas as atrações apresentadas.

Perfil e objetivos

O Blues com Z tem como perfil destacar as raridades do gênero, apresentando pérolas pouco conhecidas, em todos os estilos do Blues, dando enfoque maior ao Blues Rock Underground mundial, este sim, estilo que podemos chamar com o verdadeiro espírito rock’roll .
E, claro, importantíssimo, dar espaço ao Blues feito no Brasil apresentando bandas e nomes que labutam pelo Blues na terra do samba. Seja divulgando seus trabalhos ou convidando-os para bate-papo, ao vivo, no programa.
O principal objetivo do Blues com Z é abrir espaço para o gênero na mídia, não importa em qual, visto que é tão ignorado, mal compreendido e, principalmente, marginalizado pela grande maioria (inclusive para muitos ditos ‘rockeiros’ que deram as costas para suas origens) mostrando a verdadeira realidade do Blues no Brasil e no mundo de maneira honesta.
No meio de todo lixo depositado (de todos os estilos, tanto daqui como de fora) nas cabeças desavisadas, até os valores humanos estão sendo mudados para pior e nós do Blues com Z, tentamos mostrar que nem tudo está perdido e existe, sim, muita coisa de qualidade a ser apreciada, especialmente o Blues.....com Z.

10 de novembro de 2007

Sorteio 12/11/2007

Esta é a camiseta que vamos sortear, nesta segunda (12/11), no Blues com Z. Basta você entrar no Chat da Zero www.zeroradio.com.br ao vivo no programa e responder a pergunta da noite. A partir de dezembro, estaremos com este modelo no mercado para você vestir literalmente a camisa do Blues com Z.




8 de novembro de 2007

Atração 12/11/2007

06. Bate-papo com MARCELO "RED BEAR" VOSS

Em agosto de 2006, após se desvincular de um projeto de metal, que teve certo êxito na mídia underground com a banda El Santo, o multi instrumentista Marcelo Voss decidiu aprimorar, sozinho, um material de Blues que estava engavetado em seu home studio. Após voltar a trabalhar com a linguagem do Blues, onde teve seu primeiro contato aos 14 anos, Voss decidiu compor a sério mais músicas do estilo e tentar realizar um sonho antigo, que era ter uma banda de blues, gênero que conheceu mesmo antes de ingressar para o mundo do rock. Por estar envolvido em várias frentes de atuação, como fotografia, organização de eventos e agenciamento de bandas, Voss levou certo tempo para finalizar o projeto, uma vez em que ele, além de compor, executa todos os instrumentos e voz, além de cuidar de toda gravação e mixagem das faixas.
Com as primeiras músicas terminadas, lançou o cd-demo First Trap, 6 faixas para download gratuito em seu site www.redbearblues.com Voss pretende divulgar e inserir a Red Bear & The Blues Hunters em toda mídia especializada, além do público fã do gênero, e escutar o que o público tem a dizer de sua mais nova empreitada.

Atração 12/11/2007


05. Johnny Winter + Jam com Jimi Hendrix

Em maio de 1969, nos estúdios Record Plant em Nova York, Johnny Winter, Jimi Hendrix, Stephen Stills, Dallas Taylor e Billy Cox se encontraram e gravaram uma Jam Session que nunca foi lançada. Este momento raro e outras pérolas do albino são atrações do Blues com Z desta edição.

Atração 12/11/2007

04. Tadeusz Nalepa (1943-2007)

Nalepa era graduado na Academia de Música de Rserzow na Polônia e um dos maiores nomes poloneses da música contemporânea.
Criou, em 1965, a banda de Blues Rock Blackout, que durou 20 anos. Além de cantor e guitarrista era poeta e compositor, além de produzir várias bandas locais. Nos últimos 20 anos, Nalepa participou de inúmeros festivais de Blues pela Europa e tem gravado dezenas de discos e vários dvd's.
Morreu em março deste ano em decorrência de problemas no sistema digestivo.

7 de novembro de 2007

Atração 12/11/2007

03. Rob Rio

O cantor e pianista Rob Rio é conhecido como "BOSS OF THE BOOGIE". Sua maior especialidade são os Boogie Blues dos anos 40 e 50 e, há 20 anos, roda o mundo animando os adeptos do estilo.
Já tocou com grandes mestres do Blues como Muddy Waters, Willie Dixon,Charles Brown e, já gravou com Mick Jagger, Willian Clarke, Coco Montoya e dezenas de outros.
Rio, tem 11 cd's gravados e vários dvd's. Seu mais recente dvd foi lançado ano passado, Boogie@Big Bear, com 12 pérolas em 54 min.

Atração 12/11/2007

02. Rob Hudec

Hudec nasceu na província canadense de Saskatchewan em 1976. Na adolescência passou por diversos grupos de rock local até se aprofundar no Blues influenciado pelos "King's": Freddy, Albert e B. B. e nomes como os de Eric Clapton, Jimi Hendrix, Stevie Ray Vaughan e outros. Gravou seu primeiro disco em 1998, "Lost & Found". Em 2003, o ao vivo "Hudec Brothers" e ano passado o "Available Now!

Atração 12/11/2007

01. Joe Bonamassa

Bonamassa nasceu (1977) em Utica, New York, onde seu pai era dono de uma loja de guitarras. Isto possibilitou que começasse a tocar esse instrumento aos quatro anos. Ao 11 , passou seis meses tendo aulas com o virtuoso do country Dany Gatton que ensinou Bonamassa a tocar estilos como country e jazz. Durante este tempo ele tocava com a banda Gatton, toda vez que ela se apresentava em New York. Sua primeira apresentação foi abrindo um show de B.B. King aos 12 anos. Aos 14, formou uma banda com Berry Oakley Jr (filho do baixista dos Allman Brothers), Erin Davis (filho de Miles Davis) e Waylon Krieger (filho de Robby Krieger - do The Doors). Com essa banda, Bloodline, chegou a gravar um álbum, pela EMI, que produziu dois singles - "Stone Cold Hearted" e "Dixie Peach."
Joe Bonamassa lançou os discos “So It's Like That" (2002), "A New Day Yesyerday Live" (2002) , "Blues Deluxe" (2003), "Had To Cry Today" (2004), "You and Me" (2006) e o DVD "Live at Rockpalast" (2006). Este ano lançou seu novo trabalho, "Sloe Gin".

Atrações 12/11/2007


A próxima edição do O Blues com Z vai destilar muita raridade e o blues rock underground mundial. Vamos destacar a safra anos 90 do Blues com JOE BONAMASSA (foto); o guitarrista canadense ROB HUDEC; o boogie blues de ROB RIO; o Blues polonês de TADEUSZ NALEPA ; uma jam de JOHNNY WINTER (foto) com JIMI HENDRIX; o Blues feito no Brasil e, nosso bate-papo semanal, com o multi instrumentista e produtor MARCELO VOSS e sua RED BEAR & THE BLUES HUNTERS.
E, claro, sua participação no Chat da Zero Rádio em tempo real.
A partir de sexta, estaremos publicando um mini perfil de todas as feras que vamos rolar.

6 de novembro de 2007

Agenda de entrevistas do Blues com Z

Já temos novos convidados para nosso quadro de bate-papos no Blues com Z. Todos com alto teor de Blues nas veias.
Próxima segunda (12/11), MARCELO VOSS (foto) e o Blues explosivo da RED BEAR & THE BLUES HUNTERS.
19/11. CESAR HEAVY - Vocalista e baixista da banda TUBLUES.
26/11. PERCY WEISS - Lendário cantor do rock nacional.
03/12. PAULO & DENISE - Banca do Blues (Rio).
10/12. VASCO FAÉ - O Homem show do Blues nacional.
Participe do Chat da Zero Rádio, em tempo real, fazendo perguntas aos nossos convidados.