Agora o Blues com Z é 100% Blues Brasil.
Essa é nossa mais nova iniciativa para divulgar e incentivar o gênero no país.
De Norte a Sul do Brasil o Blues é praticado e estamos abrindo espaço para todo brasuca que queira expressar seu feeling Blues.
Continuamos com os bate-papos. Toda semana um nome ou uma banda nacional para nos contar como é fazer Blues por aqui.
"....O velho Blues não tem formato, nem receira, nem religião,a cor da pele não se mete nisso..."




Seja bem-vindo, o blues vai rolar! E como dizia o mestre Muddy Waters, "pedras que rolam não criam limo".

7 de dezembro de 2007

Entrevista com VASCO FAÉ


Como haviamos anunciado, publicamos uma entrevista pontual com um dos maiores nomes do Blues feito no Brasil, o auto didata, gaitista e multi instrumentista VASCO FAÉ. Somente este ano, lançou 3 cds. É um dos fundadores da Irmandade do Blues (1992), a mais antiga banda de Blues paulista com a mesma formação.
Incansável pesquisador e profundo conhecer de Blues, foi o primeiro (talvez o único) a usar o bumbo no Blues. É chamado de "Homem Banda" pela sua capacidade de entreter sua audiência.
Nesta entrevista, VASCO dá sua visão sobre o Blues feito no Brasil, seus favoritos e muito mais.
Na próxima segunda (10/12), é nosso convidado para o bate-papo no programa, onde você ficará sabendo muito mais sobre esse Bluesman brasileiro apaixonado pelo que faz.

Blues com Z - Qual sua formação musical ?
Vasco - Auto didata.
Blues com Z - Quantos e quais instrumentos vc toca ?

Vasco - Gaita, bateria, guitarra, baixo, voz, percussão, teclado, e o que pintar.
Blues com Z - Por que o Blues?

Vasco - Porque não? Na verdade eu não sei porque, acho que foi natural, eu tenho muito a ver com o Blues no que se refere a sentimento perante a sociedade, quando ouço Blues, minha instabilidade parece que dilui.
Blues com Z - Quais suas influências?

Vasco - The Meters (a maior banda de todos os tempos), Led Zeppelin, Big Bill Broonzy, Muddy Waters, John Lee Hooker, Robert Johnson, Howard Levy, Ford Blues Band e meu pai.
Blues com Z -
Suas músicas favoritas.
Vasco - In the evening, Outskirts of town, Achiles last stand, Funk Miracle, Any time at all, Julia, Mama you treat your daughter mean, Jardim de Talli, e as que não sei o nome.
Blues com Z -
Fala sobre a Irmandade do Blues.
Vasco - Pra mim a Irmandade representa a minha banda oficial, é uma das grandes bandas nacionais dentro do segmento. Lançamos um CD muito legal esse ano “Good Feelings” que está sendo muito apreciado. É o lugar que eu tenho espaço para gravar um solo de microfonia como fiz em Crossroads que está no primeiro CD da banda “Veneno”. É o lugar onde também tenho espaço para arranjar, compor, etc.
Blues com Z - Outras parcerias.

Vasco - Tenho muita satisfação em acompanhar o Andreas Kisser, um dos grandes músicos mundiais, mas tenho orgulho não porque ele é quem é, mas por ser como é, um cara muito bacana e objetivo alem de que toca muito Blues. Recentemente gravei no CD solo dele que sairá ano que vem.
Também tenho muita satisfação em ter gravado um CD com meu grande amigo Adriano Grineberg, que pra mim é o maior pianista de Blues no Brasil (gravou 25 CDs de Blues com artistas de Blues variados).
Esse ano também fechei uma parceria com o grande Chico Blues para distribuir meu CD novo.
Blues com Z - Passagem pelo Blues Etílicos.

Vasco - Foi bom participar, e foi bom sair. Eu já havia começado meu trabalho de pesquisa antes de entrar para o Blues Etílicos, quando sai da banda ainda falei pra alguns deles que eu estava fazendo um tributo ao Blues das antigas e que eu achava que a banda tinha que voltar a gravar Blues antigo.
Blues com Z - Como vc vê o blues no Brasil e no exterior

Vasco - No Brasil acho que se tornou profissional, existe um circuito bom, existe canal de divulgação, acho que falta um pouco de ética e conhecimento, mas isso também se resolve com o tempo. No exterior não posso falar muito pois nunca toquei fora do Brasil. Só posso dizer que o Blues não é popular em nenhum lugar do mundo, não seria diferente aqui. Mas apesar disso, o Blues é forte em muitos países espalhados pelo globo.
Blues com Z - Seu trabalho solo.

Vasco - Estou em meu segundo CD (ManoBlues) que é uma pesquisa histórica sobre o Blues da década de 20 com os pioneiros do Delta Blues. Eu estou me envolvendo cada vez mais com pesquisa de Blues antigo.
Blues com Z - O blues autoral em português.

Vasco - Acho que as letras de Blues que são feitas no Brasil ainda tem uma tendência a ser inocente demais em alguns casos, a ficar parecido com a jovem guarda. Outra coisa é que o Blues não é ficar reclamando, o Blues é malandragem, acho que o Blues em português ficaria perfeito com letras de Bezerra da Silva, Martinho da Vila, Adoniram Barbosa. Mas isso não que dizer que não existam alguns Blues em português expertos, como Confortável do André C.
Blues com Z - Novas experiências.

Vasco - Tenho uma banda que se chama Forrock, no qual tocamos Rock Clássico e Blues em ritmo de Xote e Baião com Zabumba e Triangulo (www.myspace.com/forrock2008) . Também tenho um grupo de música Irlandesa, que considero ser uma das maiores influências do Blues.
Blues com Z - Seu estilo, hoje.

Vasco - Quando comecei a tocar sozinho com a gaita no suporte não tinha alguém fazendo isso em São Paulo, tive que descobrir sozinho muitos caminhos pelos quais tenho procurado me aperfeiçoar ao longo dos anos tocando por aí. Hoje tenho alguns amigos que tocam assim, mas sem o bumbo. Me inspirei quando assisti John Hammond na TV Cultura e vi que eu queria fazer aquilo. Hoje me sinto tão a vontade como se estivesse sem a guitarra e o bumbo.
Eu gosto de som simples, suingado, visceral e meio limpo meio sujo. As vezes quando toco sozinho por aí a galera fica dançando na frente do palco e eu sozinho mandando o bumbão.
Blues com Z - Projetos atuais e futuros.

Vasco - Tenho três CDs lançados esse ano que pretendo continuar a trabalha-los em 2008, que são “Good Feelings” da Irmandade do Blues, o “Ao Vivo No Photozofia” com o Adriano e o meu novo CD solo “Manoblues”. Também tem o CD solo do Andreas Kisser no qual eu gravei quatro das seis músicas com voz, e uma gaita heavy metal.

Nenhum comentário: