Agora o Blues com Z é 100% Blues Brasil.
Essa é nossa mais nova iniciativa para divulgar e incentivar o gênero no país.
De Norte a Sul do Brasil o Blues é praticado e estamos abrindo espaço para todo brasuca que queira expressar seu feeling Blues.
Continuamos com os bate-papos. Toda semana um nome ou uma banda nacional para nos contar como é fazer Blues por aqui.
"....O velho Blues não tem formato, nem receira, nem religião,a cor da pele não se mete nisso..."




Seja bem-vindo, o blues vai rolar! E como dizia o mestre Muddy Waters, "pedras que rolam não criam limo".

4 de março de 2008

Buddy Miles e Jeff Healey


Dois grandes nomes envolvidos com o Blues morreram nos últimos dias; o lendário baterista Buddy Miles (esq) e o guitarrista canadense Jeff Healey (dir).
Saiba mais a seguir.


Morreu na noite do dia 26/02 o baterista Buddy Miles, que fez parte da lendária Band of Gypsies, do guitarrista Jimi Hendrix. Ele tinha 60 anos e sofria de problemas cardíacos, informou seu assessor.Miles, que nasceu em Omaha (Nebraska) já tocava no conjunto de jazz de seu pai aos 11 anos. Segundo seu site, ele tocou em grupos como The Delfonics e The Ink Spots e acompanhou a lenda do soul Wilson Pickett. O baterista tocou no clássico disco "Electric Ladyland" e se juntou logo depois à Band of Gypsies, que ainda contava com o baixista Billy Cox.De acordo com seu site, ele tocou com Stevie Wonder, Muddy Waters, Barry White, David Bowie, George Clinton, Santana e Bootsy Collins. Craig Balderston, um músico de Omaha, disse que costumava tocar com Miles durante os anos 90. "Ele era um fantástico baterista e também um fantástico cantor", disse. Após a morte de Hendrix, Miles retomou com sucesso o Buddy Miles Express, graças sobretudo ao disco "Them Changes", que se manteve nas paradas durante 74 semanas.

Em 1972, Miles gravou um disco ao vivo no Havaí com Carlos Santana, que se tornou um grande sucesso de vendas. Posteriormente, colaborou com nomes como Stevie Wonder, David Bowie e Bootsy Collins. O músico passou um período na prisão no final da década de 70 e início de 80, por acusações relacionadas a drogas, mas voltou à música em 1986, com o grupo California Raisins.
Em 1994, voltou a trabalhar com Santana e criou uma nova versão da Buddy Miles Express. Durante os últimos anos de sua vida, Miles se dedicou a manter vivo o espírito de Hendrix, através de atos promocionais e participações em tributos em sua memória.
No momento de sua morte, trabalhava em três projetos musicais e estava envolvido em atividades destinadas a arrecadar dinheiro para as vítimas de furacões nos EUA (globo.com)..

Jeff Healey

O músico canadense Jeff Healey morreu aos 41 anos no último domingo (02/03) em um hospital na cidade de Toronto, no Canadá, cercado por familiares e amigos. Há anos ele lutava contra o câncer, segundo Colin Bray, que toca na mesma banda de Healey. O músico já se apresentou no Brasil ao menos uma vez, em 2002. Healy ficou conhecido como líder da Jeff Healey Band, um trio que ganhou reconhecimento internacional, principalmente com o álbum "See the Light", que continha a música "Angel Eyes". Healy lutava contra o câncer desde seu primeiro ano de vida, quando uma forma rara da doença na retina o deixou cego. Healey aprendeu sozinho a tocar guitarra mesmo com a deficiência visual. Ele dividiu o palco com nomes como George Harrison, B.B. King e Stevie Ray Vaughan. O músico passou por diversas operações nos últimos anos para remover tumores dos pulmões e de uma perna. Ultimamente, ele tocava mais jazz, mas o próximo lançamento de álbum era de rock, o primeiro em oito anos. Ele deixa sua mulher, Christie, e dois filhos, de 13 anos e 3 (folha online).

Um comentário:

Claudio Ribeiro disse...

a morte do corpo é o renascimento da alma...

que os céus se ilumine pra receber essas almas completas, cheias de blues.