Agora o Blues com Z é 100% Blues Brasil.
Essa é nossa mais nova iniciativa para divulgar e incentivar o gênero no país.
De Norte a Sul do Brasil o Blues é praticado e estamos abrindo espaço para todo brasuca que queira expressar seu feeling Blues.
Continuamos com os bate-papos. Toda semana um nome ou uma banda nacional para nos contar como é fazer Blues por aqui.
"....O velho Blues não tem formato, nem receira, nem religião,a cor da pele não se mete nisso..."




Seja bem-vindo, o blues vai rolar! E como dizia o mestre Muddy Waters, "pedras que rolam não criam limo".

30 de outubro de 2007

Próximo bate-papo 05/11/2007


Luiz Carlos "Barata" Cichetto

"Liberdade de Expressão e Expressão de Liberdade".
Com este mote, o jornalista, poeta, produtor cultural, músico, roqueiro de carteirinha... criou, em 1998, o site "A Barata". De lá prá cá, ancora várias centenas de colaboradores em seu portal, entre poesias, crônicas, contos, artes visuais, divulgação de bandas de rock alternativas e muito mais.
E, é esta figura que o Blues com Z convidou para nosso bate-papo semanal.
Um depoimento, vindo de um de seus amigos, sintetíza um pouco nosso convidado:
"Luizão e sua "Barata" psicodélica muito louca são fundamentais pra cultura alternativa e independente deste nosso país, avesso a guerras e bonito por natureza!"
Não perca esse bate-papo!!!!

Brindes do Blues com Z


O Blues com Z vai começar a sortear brindes aos internautas que participam do programa. Já na próxima edição, serão sorteadas 4 camisetas do Projeto Blues Pela Vida (foto), evento que acontecerá neste domingo (04/11), em Osasco SP. Para participar do sorteio, o internauta terá que nos responder através do Z Chat, no e-mail da Zero Rádio contato@zeroradio.com.br e também na comunidade do programa no Orkut http://www.orkut.com/Community.aspx?cmm=39032341 , quem são os músicos que vamos rolar (fora do playlist).
E isso, é só o começo. Nas edições seguintes sortearemos cds com o "Best of" do programa e camisetas do Blues com Z.
Um jeito carinhoso de brindar nossos irmãos do blues com seu apoio ao Blues com Z.

27 de outubro de 2007

O QUE VOCÊS PENSAM A RESPEITO DISSO?

O Blues com Z está convidando os bluseiros ou, pelo menos simpatizantes do gênero, a discutir conosco a verdadeira situação do blues no Brasil e no mundo. O programa vem mostrando que o Blues está vivíssimo no planeta inteiro e em nossos playlists destacamos seu "lado B", isto é, grupos e artistas de todas as nacionalidades, pouco conhecidos, os quais vêm despertando muito interesse aos ouvintes.
Em longas discussões, que acabam sempre no vazio, ficamos do mesmo jeito, uns aqui, outros alí, tentando manter viva a chama do blues.
Partindo disso, resolvemos colocar o assunto à todos que realmente tem o blues como uma de suas paixões e quer vê-lo e ouví-lo sendo tratado com mais dignidade.
Nosso amigo, músico e produtor de blues niteroiense
RENATO ZANATA, lança as primeiras notas na discussão. PARTICIPE.

PÚBLICO NÃO RENOVÁVEL
Por RENATO ZANATA

"...Dentro da velha e recorrentes colocações de enquadrar o Blues em algum tipo de ELITE...seja cultural, socio-economica, intelectual....

Alguém poderia me ajudar a entender, por exemplo:

POR QUE O "PÚBLICO DE BLUES" NÃO ESTÁ SE RENOVANDO OU ESTÁ SE RENOVANDO MUITO POUCO?

Buddy Guy , já acusou o Hip Hop por ser o responsável em "desviar" o jovem negro norte-americano do gosto pelo Blues.

É POR AÍ?

E NO BRASIL?

Depois do Celso Blues Boy na década de 80, nome que conseguiu estar por várias vezes na luz da grande mídia, até de novela de globo participou...gravou com Cazuza...matérias no Fantástico...

DEPOIS DELE, POR QUE NÃO SE DEU PROSSEGUIMENTO NEM COM O PRÓPRIO BLUES BOY NEM COM OUTROS NOMES?

EU PARTICULARMENTE ACHO QUE COM RELAÇÃO A FALTA DE RENOVAÇÃO DE PÚBLICO NO BRASIL, A QUESTÃO PODERIA SER EXPLICADA DA SEGUINTE FORMA:

O BLUES AUTORAL, ORIGINAL E CANTADO EM PORTUGUÊS DEU LUGAR AOS TRABALHOS COVERS OU MESMO AQUELE TRABALHO ORIGINAL EM INGLÊS, que a partir de então, passou a atingir um número menor de pessoas.

Outro ponto:

O Blues no Brasil, ou melhor, no caso os músicos brasileiros que militam nele, não acabam tendo a exposição de seus trabalhos restritos a casas noturnas específicas e se acomodam com a situação, não seriam também, por conseqüência, responsáveis também pela construção da postura elitista que o gênero adquiriu no país?

E quando temos a realização de festivais de Blues em locais abertos, ou a partir de iniciativas como a Banca do Blues no Rio de Janeiro, onde os shows, além de despertarem a curiosidade de várias mídias, são em geral gratuitos e por isso mesmo, mais democrático e abrangente?

Estas iniciativas alcançam pessoas que desconheciam o Blues e a partir de então, passam a alimentar a possibilidade real de renovação do púbico, não?

PS: O trabalho como produtor do Niterói de Alma Blues Festival, nesses quase 5 anos, me fez ouvir de pessoas que estão acostumadas a sair a noite para todos os eventos em que o Blues seja destaque, seja em bares, festivais etc...e estes fãs comentam que já não agüentam mais sair de um show para o outro e ter que ouvir os mesmos clássicos , só variando a banda e tal...

O QUE VOCÊS PENSAM A RESPEITO DISSO?"



26 de outubro de 2007

Atração 29/10/2007

06. Bate-papo da semana - MARCUS MIKHAIL

Toda semana o Blues com Z convida uma pessoa para bater um papo conosco no programa. Claro, tudo relacionado ao Blues. Na próxima edição, o assunto será blog/blues com um especialista no assunto, MARCUS MIKHAIL, criador do blog Blues Masters (foto), um dos melhores da Web ( veja link ao lado).
Você vai saber tudo sobre esta fantástica ferramenta da Internet. Como fazer um blog e o que é preciso para ser um blogueiro.
Para homenagear nosso convidado (amante do blues de raíz e de gaitistas), preparamos um bloco com o lendário gaitista de Chicago Paul Butterfield.
Não perca!!!

Atração 29/10/2007


O5. Paul Butterfield (1942-1987)

Paul Butterfield foi um um dos mais inovadores gaitistas da história do Blues, além de grande inspiração para o surgimento do estilo "electric blues" e, ter sido o primeiro músico branco a formar uma banda multi racial.
Nascido em Chicago, Butterfild começou a tocar ainda adolescente, e depois de alguns anos participando de jam sessions com os mestres de Chicago (Muddy Waters, Little Walter Jacobs, Howlin'Wolf etc), forma com Jereme Arnold, Sam Lay e Michael Bloomfield a The Paul Butterfield Blues Band. Seu álbum homônimo foi lançado em 1965. Depois de várias mudanças na formação e no estilo musical da banda, Paul iniciou uma carreira solo nos anos 70.
Ele morreu em 1987 em decorrência do vício de álcool.





Atração 29/10/2007


4. Blues feito no Brasil
d) Nuno Mindelis
Nascido em 1957 em Cabinda, Angola, Nuno Mindelis se apaixonou pela guitarra ainda criança e aos nove anos tocava em instrumentos confeccionados por ele. Em 1975, morando no Canadá, formou uma banda de blues. Um ano depois decidiu unir-se à família, que havia escolhido o Brasil para morar. Em 1990 lança seu primeiro disco, "Blues & Derivados", que passa a ser tocado em rádios de São Paulo, além de receber amplos elogios da crítica. Em 1992, com a repercussão de seu segundo álbum "Long Distance Blues" passou a integrar festivais de blues ao lado de nomes como Robert Cray e Bo Didley. Em 1994, veio o reconhecimento internacional pela revista "Guitar Player" americana, onde o músico foi destaque. Em 1998 a consagração definitiva: Nuno é eleito o melhor guitarrista de blues segundo o concurso mundial de aniversário de 30 anos da revista. O musico é tido como o principal guitarrista de blues do país.

Atração 29/10/2007


4. Blues feito no Brasil
c) Cachorro Cego
Na estrada desde 1992, a banda vem realizando shows e apresentações, divertindo e contagiando o público com um som contundente, fruto da mistura do sentimento blues, da energia do rock'n roll e das experiências vividas por seus integrantes.
Em 1997, lançou seu primeiro CD, Cachorro Cego, gravado em Brasília e mixado em Los Angeles.
Em 99, conquistou o título de melhor banda no programa Ultrasom da MTV.
O nome da banda vem de uma homenagem feita a um bluesman, que ficou cego na época da Lei Seca nos Estados Unidos por consumir bebidas alcoólicas de origem caseira (elas continham chumbo no material de fabricação e provocavam vários efeitos colaterais, inclusive a cegueira entre seus usuários), apelidado carinhosamente de Blind Dog (Cachorro Cego).

Atração 29/10/2007


04. O Blues feito no Brasil
b) Marzio Lenzi & Raze Blues
Marzio Lenzi e Raze Blues é a mais nova promessa do blues de Santa Catarina e do sul do Brasil. Marzio também é integrante da banda de rock catarinense Lenzi Brothers. Em 2004, lançou o cd “I Should Just Say So!” com 10 composições próprias em parceria com o baixista Fabiano R K de Melo, inaugurando seu projeto solo de blues ao lado de Fabiano e Matheus Lenzi na bateria com participações especiais de Joe Marhofer na gaita e Andrei Garcia no orgão e piano. Já dividiu palco com grandes nomes do Blues como Greg Wilson(Blues Etílicos) Flávio Naves, Alex Rossi, Adrián Flores e Nuno Mindelis. Marzio também abriu shows de artistas nacionais e internacionais de Blues como: Fernando Noronha & Black Soul (RS), Solon Fishbone (RS), Nuno Mindelis (SP), Phil Guy (EUA) e Eddie C. Campbell. (EUA).

Atração 29/10/2007


04. Blues feito no Brasil
a) Décio Caetano - Paranaense natural de Goioerê, ele convive com o blues desde os quinze anos, gênero de sua paixão e no qual se especializou.
A sua trajetória profissional foi marcada por participações de nomes importantes do blues como o gaitista , Robson Fernandes, do guitarrista André Cristovam, de Marcus Rampazzo, do tecladista Adriano Grineberg e do baixista Renato Limão. Dividiu o palco com artistas como Rev. Womack Jr, Blues Etílicos, Caça-Níqueis e Blues del Fuego.
Em janeiro de 2007, lançou seu quarto disco "I Can´t Stop" na XXV Oficina de Música de Curitiba.

Atração 29/10/2007

03. Dr. K'S Blues Band
Criada em 1968 durante a explosão Britânica do Blues , o Dr. K's Blues Band foi uma daquelas bandas que levavam o amante do gênero às alturas... Alimentada pelos teclados de Richard Kay e pela guitarra de Geoff Krivit (foi membro da John Mayall's Bluesbreakers), faziam um blues sólido e convincente. Completava o grupo na harmônica e vocais, Mike Hasse e a bateria de Eric Peachy (que passou a ser um membro da Steve Hillage Khan's).

Atração 29/10/2007


02. Double Dose Blues Band
Banda Croata de hard blues formada em 2000 na cidade de Pula. Suas apresentações ao vivo são o ponto forte do grupo que tem em seu playlist somente clássicos de blues interpretados de forma original e pesada.

Atração 29/10/2007


01. Sonny Landreth
Do blues tradicional ao slide elétrico moderno, passando pela técnica de tocar notas digitadas atrás do slide, Sonny Landreth tem uma habilidade que beira o sobrenatural (Revista Guitar Player). Nascido no Mississipi (1951) e criado na Louisiana pode-se afirmar que, talvez, seja o único com possibilidades de reivindicar o cetro de melhor guitarrista desconhecido. Landreth vem trabalhando com firmeza durante décadas, muito respeitado pelos fãs e músicos em geral. Eric Clapton disse que ele é "provavelmente o mais subestimado músico do planeta e também provavelmente um dos mais avançados."

25 de outubro de 2007


Atrações 29/10/2007

O Blues com Z da próxima segunda (29/10), trará vários destaques individuais, dentre eles o lendário gaitista Paul Butterfield (foto), o Blues feito no Brasil e um bate-papo com o blogueiro/blues, Marcus Mikhail. Você pode participar do programa através do ZChat.
Você não vai encontrar coisa melhor para fazer.
Na Zero Rádio, o Blues se escreve com Z!
***Todas as atrações serão públicadas a partir desta sexta.

Próxima entrevista 29/10/2007

Blog Blues com MARCUS MIKHAIL

Um weblog, blog ou blogue é uma página da Web cujas atualizações (chamadas posts) são organizadas cronologicamente de forma inversa (como um diário). Estes posts podem ou não pertencer ao mesmo gênero de escrita, referir-se ao mesmo assunto ou ter sido escritos pela mesma pessoa (Wikipédia).
Por ser um assunto, que consideramos, atualíssimo e livre, convidamos um especialista no papo sobre o tema, Marcus Mikhail (foto), claro, um blogueiro apaixonado por blues e criador de um dos blogs mais interessantes na Web , o Blues Masters que por sinal, nos ajudou a construir o blog Blues com Z e de tantos outros .
Além destes assuntos, blog blues, você vai conhecer algumas histórias hilárias de Marcus, entre elas, por que o nome Mikhail e, seu poema sobre "Love in Vain", de Robert Johnson.
Não perca!!!

23 de outubro de 2007

Um Mês de Blues com Z


O Blues com Z está completando seu primeiro mês (estreou dia 24/09). Neste curto espaço de tempo, nossa proposta foi mostrar o "lado B do Blues", mas sem deixar de destacar os grandes personagens e os maiores clássicos que fizeram a sua história.
Quando utilizamos a expressão "lado B do Blues", estamos nos referindo a universalização do gênero, suas vertentes e seus sotaques. Todo apaixonado por este gênero já sabe de onde veio o blues, conhece a sua evolução, sua revolução e, principalmente, sua modernização. A realidade dos tempos se altera, mas sentimentos humanos, como o amor, a dor, a angústia e a paixão, esses não!
A letra da música 'ARARIBÓIA BLUES' de Tony Havana, que mostramos com EXCLUSIVIDADE na versão acústica de RENATO ZANATA, define bem o espírito do Blues com Z: "Eu não nasci no Mississipi, muito menos no TENESSE / Algodão eu compro pronto numa farmácia de Icarai"..., como poderia ser do Morumbi, de Aguaí etc..."A cor da pele não se mete nisso...."
Sendo assim, estamos destacando bluseiros dos quatro cantos do mundo: do seu berço na África, passando pela Europa, Ásia, Oceania e Américas.Claro que, em se tratando de América, o Blues feito no Brasil terá no Blues com Z, o seu espaço cativo.
Enfim, a Zero Rádio abriu um espaço para o blues e nós não queremos utilizá-lo mostrando sempre os mesmos nomes e suas mesmas músicas. Hoje, sob 100 anos de influência dos bluesmen pioneiros , existem milhares de pessoas pelo mundo todo fazendo blues ou usando seus elementos inseridos em outros estilos.

20 de outubro de 2007

Atração 22/10/2007

15. Entrevista - BANHA BLUES
Nosso bate-papo da semana é com BANHA BLUES, o mentor do Projeto BLUES PELA VIDA (ver matéria neste blog), evento que vai reunir 8 bandas de blues e performaces teatrais em prol do Sítio Agar.
Além do mais, BANHA é tocador de gaita e o Blues com Z esta homenageando nosso entrevistado com dois dos maiores gaitistas da história do gênero, James Cotton e Big Walter Horton.

Atração 22/10/2007

14. James Cotton
Com 72 anos de idade e em plena atividade (para 2008 está com agenda tomada), é um dos poucos bluesman autêntico vivo. No final dos anos 40, tocou ao lado de Sonny Boy Willianson II e, nos anos 50, entrou para banda de Muddy Waters. Em 1966, acompanhou a Big Brothers & Holding Co. com Janis Joplin. Nas décadas seguintes, dividiu palco com os maiores gaitista da época: Junior Wells, Carey Bell e Billy Branch. Em 96, ganhou Grammy de melhor álbum de blues tradicional com o disco "Deep In The Blues". Seu último disco foi lançado em 2004, "Baby, Don't You Tear My Clothes".

Atração 22/10/2007


13. Big Walter Hurton (1918-1981)
Foi um gaitista virtuoso e criador de um estilo mais suave de tocar gaita. Ironicamente, nunca conseguiu a fama de gaitistas que ensinou e inspirou como: Little Walter, James Cotton ou Sonny Boy. Durante a década de 1960, a carreira de Horton prosperou devido a universalização do blues. Excursionou por todo EUA e Europa, ao lado de Willie Dixon's All-Stars e gravou seu primeiro disco como bandlider em 1964 "The Soul of the Blues Harmonica, pela gravadora Argo Records, na Inglaterra em 1964. Exerceu forte influência na música de Johnny Winter e da banda inglesa Fleetwood Mac.

Atração 22/10/2007


12. Dr. Feelgood
Banda inglesa formada no final dos anos 60 por um grupo de malucos amantes de blues e r&b e que foram os maiores expoentes do "pub rock". Liderados pelo tresloucado vocalista Lee Brilleaux, o Dr. Feelgood possui uma história imensa, rica em lendas e em sons inesquecíveis. A grande alma era o guitarrista Wilko Johnson, dono de um fraseado tão interessante, que foi convidado (e recusou!) para entrar nos Rolling Stones quando Mick Taylor deixou a banda. Cercada de várias lendas, a banda ainda permanece viva, na milésima formação. Apesar de nenhum integrante original continuar, o grupo ainda existe, afinal é uma instituição inglesa das mais importantes quando se fala em puro rock e blues. E eles continuam fazendo exatamente aquilo para o qual foram feitos: tocar ao vivo.
O nome Dr. Feelgood é o nome dado a médicos que enalteciam demasiadamente os benefícios de remédios psicossomáticos, ou, no popular, os curandeiros que vendiam drogas para aliviar as dores e depressões em geral.


Atração 22/10/2007

11. Killing Floor - O Killing Floor (nome inspirado em uma canção do bluesman americano Willie Dixon) foi uma banda, formada no Sul de Londres no final de 1968 pelo guitarrista Mick Clarke, o vocalista Bill Thorndycraft, o baixista Stuart McDonald e o baterista Baz Smith, um pouco mais tarde, quando eles iniciaram os trabalhos de gravação de uma fita demo, que se transformaria em seu primeiro disco, o tecladista Lou Martin se juntou a eles. É justamente este disco de estréia, batizado com o nome da banda. Em 1972, a banda encerrou suas atividades, mas os músicos do Killing Floor, continuaram na ativa: Lou Martin foi tocar com Rory Galagher; Baz Smith foi para o Toe Fat e Mick Clarke mudou para os EUA onde montou a sua própria banda.

Atração 22/10/2007


10. Bernie Ckarke & Rhythm Sharks
O gaitista Bernie Clarke criou "Os Tubarões do Ritmo" em New York há 12 anos atrás e, de lá prá cá, vem sacudindo todos os lugares que passam.
Clarke, tem em Charlie Musselwhite e Litlle Walter suas maiores influências e os Tubarões aliam muito swing dos boogie woogies com os poderosos riffs das guitarras do Chicago Blues.
Os Tubarões são: Seth Rochford (guitarra e vocal), Bob Sherwood (baixo), Rock Carbone (bateria) e Bernie Clarke (gaita).

Atração 22/10/2007


09. Maurício Sahady

Guitarrista, cantor e compositor, considerado um dos principais nomes do blues brasileiro, com participação em vários eventos, inclusive internacionais, Maurício Sahady é um bluesman cuja característica marcante é a sua pegada da guitarra: ao contrário da grande maioria, Sahady preferiu, desde o início, as unhas à palheta.Na estrada desde 1989, quando integrava uma das pioneiras do blues nacional, a banda Atlântico Blues, com a qual gravou dois LPs, Maurício Sahady já lançou três trabalhos solo – “Blues Brasileiro”, “Vício Valvulado” e, seu novo trabalho "Laundromat 335".
Feeling, pegada, timbre e dinâmica são ingredientes imprescindíveis a um bom show de blues, por isso, Sahady conta atualmente com os melhores músicos de blues da cena carioca: Otávio Rocha (Blues Etílicos), guitarra; Ugo Perrotta (ex-Big Allanbik), baixo; e Beto Werther (ex-Big Allanbik), bateria.

19 de outubro de 2007

Atração 22/10/2007

08. Backstroke Blues Band - Banda formada em Genebra, Suiça, em 1996 por Valerie Snow White (vocal), Laurent Hat-Trick (guitarra), Patrick Mr. Groove (baixo) e Jean Cristian Boom Boom (bateria). O nome da banda vem do título de um instrumental de Albert Collins, que abre todas as apresentações do grupo. Outras influências são:
Ronnie Earl, Anson Funderburgh & The Rockets, Smokin' Joe Kubek, Little Charlie & The Nightcats, Duke Robillard, T-Bone Walker....
O repertório deste grupo dos Alpes Suiços é 100% blues.

Atração 22/10/2007

07. The Paladins
Trio formado em San Diego, CA, em meados dos anos 80 por (Dave Gonzales (vocal e guitarra), Thomas Yearsley (baixo) e Jeff Donovan (bateria). Em 1987, o gaitista e lider da Fabulous Thunderbirds, Kim Wilson, produziu o álbum de estréia do trio. Foi considerado pelo jornal Los Angeles Time como a melhor banda de shows ao vivo da atualidade, onde fazem um coquetel sonoro passando pelo blues elétrico, country rock e rockabilly.





Atração 22/10/2007

06. George Paul - Guitarrista da Nova Zelândia com muita reputação em toda Oceania. Começou a tocar guitarra no final dos anos 60, ainda na escola. Nos anos seguintes, passou por diversas bandas, em seu país e na Austrália. Em 1999, parou de tocar até conhecer em 2004, John Bisset, um apaixonado por blues que o incentivou à gravar um disco do gênero. Lançou, então, o álbum "Old Fat Harry Blues". Atualmente trabalha, no estúdio caseiro de Bisset, seu segundo disco de blues.

Atração 22/10/2007

05. Yellow Cab - Banda formada em 2002 na cidade de Tiradentes MG pelo guitarrista veterano Ted MacNelly, o Táxis do Blues transporta ainda: Alex Tibits (guitarra), Richard Neves (teclados), Adriano Carvalho (baixo) e B2 Simões (bateria). Seu repertório passa por vários estílos do blues ( Chicago, Texas etc) com pitadas jazzisticas. Tem também várias composições autorais. O grupo já divídiu palco com o gaitista Jefferson Gonçalves, o guitarrista Maurício Sahady entre outros. Já abriu shows de Wilson Sideral e Zé Geraldo. O grupo está gravando seu primeiro cd e antes de seu lançamento o Blues com Z mostra para você.

Atração 22/10/2007

04. Junior Brown - Jamieson "Junior" Brown nasceu em 1952 em Kirksville, IN e começou na música tocando piano clássico. Desenvolveu um estilo único de tocar guitarra sendo aclamado nos anos 90 como um dos maiores guitarristas de country rock da época. Mas, sua versatilidade o levou a ser considerado pela revista Village Voice, um autêntico seguidor da escola hendrixiana. Lançou seu primeiro disco 1993, "12 Shades of Brown". Sua voz de barítono é outra peculariedade de Brown. No ano passado, acompanhou Bob Dylan em sua turnê pelos EUA.

Atração 22/10/2007


03. Dingo Love Machine - Mais uma nova banda de Blues urbano, entre tantas que tem brotado ultimamente na cena norte americana. Formada por um grupo de amigas em Tampa, Florida, gravaram seu primeiro disco em 2004 (foto). É uma banda formada apenas por mulheres com forte apego ao blues.

Atração 22/10/2007


02. Bobby Marinquez - Bobby Marinquez - Nativo de Washington DC, este guitarrista ficou conhecido depois que seu disco de estréia "Another Shade of Blues", 2001, foi muito elogiado pelas revistas Rolling Stone americana, Blues Revue e pelo jornal Washington Post .
Em 2005, lançou o "Prayin' The Blues (blu funk). Seu blues rock contemporâneo deixa para bem longe o fim deste estilo.

Atração 22/10/2007

01. Renato Zanata - Abrindo o Blues com Z, desta semana, vamos ouvir, com EXCLUSIVIDADE, a adaptação acústica que Renato Zanata fez para ARARIBÓIA BLUES, de Tony Havana. A letra deste blues está publicada aqui no blog assim como também o perfil de Zanata.
Araribóia , era um chefe indígena da tribo Termiminó, um grupo Tupi que viveu na baia da Guanabara. Selando uma aliança de cooperação com o Império português, Araribóia, recebeu como gratidão a sesmaria de Niterói, onde passou a morar. Morreu em 1574.
O niretoiense Zanata dá um brilho muito especial, com muito feeling, à composição de Havana, que escreveu esta canção na década de 90.

18 de outubro de 2007

Atrações 22/10/2007


O Blues com Z da próxima semana continuará mostrando muita raridade, o lado B do blues e, agora, entrevistas com figuras envolvidas com o gênero feito no Brasil. Nosso convidado desta semana é BANHA BLUES, o mentor do projeto Blues Pela Vida, evento beneficente em prol do Sítio Agar que cuida de crianças e adolesdentes portadoras do vírus HIV (ver máteria neste blog). E, tudo isto, com a sua participação no Zchat do blog Blues com Z. A partir desta sexta estaremos publicando aqui todas as atrações que rolarão na próxima edição.
O blues na Zero Rádio se escreve com Z!!!!

17 de outubro de 2007

Chat do Blues com Z

O Blues com Z inaugurou em sua última edição ,15/10, o ZChat ( veja ao lado) para você interagir durante o programa. Além do playlist e a estréia de nossas entrevistas, bastante comentado entre os participantes, vários assuntos foram discutidos, claro que tudo relacionado ao blues. Convidamos todos a participarem, não só nas edições ao vivo (segundas, 9 da noite), mas também nas REPRISES, quinta, por exemplo, às 9 da noite e aos domingos às 15 horas. Você pode tirar TODAS as suas dúvidas em relação ao blues. O Blues com Z trabalha a serviço do blues, prestando informações culturais a quem quiser saber por que este gênero musical é um dos mais influentes do mundo e está presente em quase tudo, mesmo sem ninguém saber que ele está aqui...há mais de 100 anos.

Apareça para um bate-papo!!!

16 de outubro de 2007

Próxima entrevista - 22/10/2007

Blues e solidariedade

Claúdio Rodolfo Medeiros, 30, conhecido como BANHA BLUES (tocador de gaita, barman na noite paulistana e natural de Sorocaba), é mais um apaixonado por blues, e um dos poucos que não está preocupado com o umbigo e vaidades pessoas. Idealizou o Projeto BLUES PELA VIDA em prol do Sítio Agar, fundado em 1983 pelo padre missionário holandês, Antonius Van Noije, que cuida de crianças e adolescentes portadores do vírus HIV.
Em entrevista ao blog NANQUIM MALDITO, de Renato Zanata, BANHA explicou o porque deste projeto: "A vontade de ver e divulgar uma coisa que é tão pouco valorizada neste País, no caso o Blues, aliada a vontade de ajudar alguém, resultou no Projeto." Disse, também, porque escolheu esta instituição: "O Sítio Agar, atualmente, abriga 58 crianças e adolescentes, sendo 12 crianças da Casa de Ismael, onde ficam crianças no processo transitório, aguardando o processo do conselho tutelar. Com capacidade para abrigar 45 (quarenta e cinco) crianças e adolescentes de zero a 18 anos, de ambos os sexos e portadores do vírus HIV, o Sítio Agar, recebe jovens originários dos diversos municípios do estado de São Paulo. Os casos atendidos pelo Sítio Agar, são caracterizados como de risco pessoal e social, com ocorrência de abandono, orfandade, vitimas de maus tratos físicos ou psíquicos, impossibilidade de permanência na família extensiva, procedentes de famílias sem recursos para prover suas necessidades básicas. As despesas mensais perfazem um total de aproximadamente R$ 84.000,00 (Oitenta e quatro mil reais), com recursos humanos, que hoje são de 58 funcionários (educadores, psicólogo, assistente social, coordenadores, auxiliar de enfermagem, limpeza, cozinheiras, motoristas, padeiros, auxiliar. panificação, lavanderia, ajudante geral, etc.), alimentação, veículos, combustível, pedágio, luz, telefone , medicação, manutenção com os prédios entre outros. Quando fui visitar o Sítio, deu para perceber que o principal problema daquelas crianças era a falta de amor e a discriminação que sofriam, e graças a DEUS no Sítio Agar, isso não ocorre, mas precisamos lutar muito ainda para que esse tipo de preconceito acabe."
Há poucos dias da realização do evento (04/11/2007 - Centro de Eventos Pedro Bortolosso, Av. Visconde de Nova Granada, 11- Jardim Cipava - Osasco/SP),
BANHA, disse ainda, quem está ajudando a promover o evento: " Somente meus amigos. Já tentei ir atrás de alguns comerciantes para obter ajudar com algum tipo de patrocínio, mas nunca tive resposta de nenhum deles até hoje. Outro problema é que o material mostrado nas visitas, no caso, o projeto impresso e encadernado, é muito caro. Procuro gastar com outras coisas, como material de divulgação, tipo os flyers. E até agora nenhum empresário teve algum interesse neste meu projeto. Os que mais me ajudam hoje, praticamente todos os dias são os seguintes: Roberto Terremoto, Guitarrista da Marafa Blues, Alê Rossi baterista da banda Eletric Muddy Band e Marafa, Oswaldo Gaitista da The Black Coffee Band e Rafael Blues Gaitista da Alcatéia Blues. Mas, posso te dizer que todos aqueles envolvidos nesse projeto comigo, já estão ajudando muito em tudo, por que se não fossem esses “Bluseiros do bem”, eu nunca iria realizar esse sonho, de fazer um show de Blues.
Serão 8 bandas:
ELECTRIC MUDDY BLUES BAND
CRACKER BLUES
MARCIÃO PIGNATARI E OS TAKEUS
TRIBLUES
BLUES 4 FUN
SÉRGIO DUARTE & ENTIDADE JOE
BLACK COFFEE
ALCATÉIA BLUES

Terá também a grande participação do grupo de teatro CIA todos em Cena.
O Blues com Z, solidário a causa, convidou BANHA para um bate-papo no programa (22/10), para conhecermos melhor o Projeto e as perspectivas da realização de novos eventos em solidariedade ao semelhante...Esse aqui é " GUI " que vive no SÍTIO AGAR, fala verdade esse sorriso não tem preço que pague...."Quero dar a essas crianças tudo oque eu tive e que gostaria de ter tido" Deus te abençoe, GUI...(Banha Blues)

http://www.orkut.com/AlbumZoom.aspx?uid=12057802613282569768&pid=1
http://www.sitioagar.com.br/quem/index.htm>

15 de outubro de 2007

O cinema reverenciando o blues



BLACK SNAKE MOAN
(Lamento da Serpente Negra)

O Blues com Z não poderia deixar de falar sobre "Black Snake Moan" EUA, 2006. 116 min. Direção: Craig Brewer. Estrelando:Samuel L. Jackson, Christina Ricci, Justin Timberlake, S. Epatha Merkerson, John Cothran Jr. De cara, o nome e o tema principal do filme, é uma homenagem do diretor a música do lendário bluesman cego Blind Lemon Jefferson e, em sua trilha sonora, músicas de R.L Burnside, Muddy Waters, Robert Pitway, Otha Turner e vários outros. E tem a participação na trilha dos músicos Charlie Musselwhite, Kenny Brown, Elvin Youngblood Hart, Big Jack Johnson e Cedric Burnside, neto de R.L. De quebra, o pioneiro, Son House, dá seu conceito sobre blues.Só a trilha já basta para agradar qualquer apaixonado por blues. O filme mostra com maestria a integração entre a música e os personagens. Mas, o drama também é uma paulada. Logo no início do filme, já percebemos que ambos os protagonistas têm características completamente diferentes, mas que buscam um objetivo parecido: Amar e ser amado. No entanto os caminhos para que esse objetivo seja alcançado são paradoxalmente gritantes. Rae (Christina Ricci) é uma ninfomaníaca que sofreu abusos na infância e passa as horas desfilando pela cidade com seus modelitos minúsculos em busca de novas vítimas. Lazarus (Samuel L. Jackson) é um guitarrista de uma banda de Blues aposentado e que abandonado pela mulher, busca na religião a resposta e amparo para sua solidão interior. Apesar de Rae estar envolvida em um relacionamento firme com seu violento namorado Ronnie (Justin Timberlake) em quem acredita estar apaixonada, logo que ele é convocado a servir na Guarda Nacional ela recai sobre a promiscuidade que lhe é peculiar. O primeiro da lista a tirar proveito de Rae é o melhor amigo de Ronnie, mas como na hora "H" ela estava "piradona", acaba sendo agredidada por ele e vai parar na porta da casa de Lazarus, iniciando uma relação pra lá de alternativa com ele tentando salvar a menina com a religião e o blues.Em Black Snake Moan, o dirtetor consegue reunir personagens extremamente danificados por uma sociedade parasita e por desilusões familiares, para criar um tipo de romance/drama bastante incomum.Tal qual “Ritmo de Um Sonho” (Hustle & Flow), primeiro longa de Craig Brewer, juntamente com Scott Bomer, responsável pela música do filme, retorna em seu segundo filme ao poder exorcizante da música, aqui com mais literalidade (não se engane: “Black Snake Moan” é um filme sobre exorcismo, ainda que com uma perspectiva muito peculiar do “sobrenatural”). Tenta equalizar a questão “racial” na trama, mas a dualidade homem negro/mulher branca é análoga à questão dos gêneros musicais distintos em rótulos, mas originados das mesmas raízes: blues e rock. Não estão apenas dialogando: estão se completando, são indispensáveis um para o outro. E ambos têm questões profundas a serem resolvidas. Isso pode até ser politicamente correto agora. Mas volta no tempo e passa o filme lá nos anos 20.É isso, não é um filme sobre blues e sim, um filme de blues e tudo aquilo que envolve a alma de um bluseiro. Imperdível!!!!!

12 de outubro de 2007

As entrevistas

Muito se discute, principalmente nas comunidades de blues no Orkut, a realidade do blues atual no Brasil e no mundo. Muitos questionam a mídia, o envelhecimento dos fãs de blues, a renovação do público, o blues cantado em português, até dizem que o blues é música de elite etc etc etc. Tudo isto, por sinal, muito interessante, visto que, há bem pouco tempo atrás, por aqui, nem blues se chamava e sim rock, baladas etc.
O Blues com Z, vai abrir espaço para tentar elucidar uma série de questões levantadas, pelos fãs e outros, referentes ao assunto através das ENTREVISTAS que faremos no programa.
Vamos começar nossos bate-papos com RENATO ZANATA (foto/design), niteroiense, que vive a dura realidade de ser bluseiro no país.
Já agendado para novas entrevistas estão: Banha Blues (mentor do projeto Blues Pela Vida); Marcus Mikhail (blogueiro de blues) e Marcelo Voss (músico da Red Bear & Blues Hunters).
Quem sabe, através desta iniciativa, todos nós que nutrimos a mesma paixão pelo gênero, consigamos incentivar um maior número de pessoas a compreender melhor o que é o BLUES de verdade e manter viva sua chama acesa.
As discussões estão abertas, participe de nosso chat com sua opinião, afinal o assunto é o BLUES e não, se você sabe mais ou toca melhor.

11 de outubro de 2007

Atração 15/10/2007

V. O blues feito no Brasil


04. Black Coffee Blues Band - A Black Coffee foi formada 2004 e apesar de ter um pouco mais de três anos de vida, já vêm conquistando espaço importante na cena musical de São Paulo.
A banda é formada por músicos experientes da cena musical paulistana, são eles: Isabel Tavares (vocal), Márcio Belloni (guitarra), Oswaldo Moraes (gaita), Carlos Lucarini (baixo) e Wagner Vasconcelos (bateria).
No repertório, muito Blues, Funk e Soul Music fazem a festa, com versões de clássicos de músicos e bandas consagradas como: B.B.King, Stevie Ray Vaughan, Aretha Franklyn, Etta James, The Commitments, Ike & Tina Turner, Stevie Wonder, Marvin Gaye, James Brown, Sonny Boy Williamson etc.
Em 2005 a Black Coffee teve como prioridade a gravação de um CD Demo.
Em abril de 2007, a Black Coffee lançou seu primeiro CD que conta com 7 versões de grandes clássicos do Blues e Soul.


Atrações 15/10/2007


V. O blues feito no Brasil

03. Paulo Meyer & Burning Bush - É formada, atualmente, por: Mateus Schanoski, teclados; Paulo Meyer, vocal e gaita; Caio Góes, baixo; Paulo Resende, bateria e Alexandre Spiga, guitarra
Ninguém fica parado quando o bluesman paulistano Paulo Meyer (já lançou 5 cds) entra no palco e entoa os versos negros do blues com sua voz gutural, acompanhado da banda “The Burning Bush”, vigorosa e estradeira, na tradição do bom e velho estilo que despontou nas margens do Mississipi.Pioneiro do Blues no Brasil, Meyer tocou com Nuno Mindelis em 1990, fundou a hoje lendária banda Expresso 2222 - que marcou época e influenciou toda uma geração de ‘bluesmen’ paulistanos, abrindo o caminho para a formação de um circuito que inclui festivais e eventos especiais pelo Brasil afora.

10 de outubro de 2007

Atração 15/10/2007

V. O blues feito no Brasil
02. Black Cadillac -
A Banda Black Cadillac nasceu em 1992, inicialmente intitulada de Planeta Blues.
A característica mais presente no Black Cadillac era sua forma peculiar de composição, mesclando ao Blues ritmos igualmente ancestrais da boa música americana, como o Jazz, o Soul e o Rock'n Roll, além da inevitável pitada do tempero brasileiro.
O primeiro e único CD da banda, "Black Cadillac" (foto)foi gravado em 2001 e dá ênfase às composições próprias. São onze músicas que traduzem bem a alma da banda, total descompromisso com o estilo "bad boy" incorporado pela maioria das bandas nacionais. O Black Cadillac, conta histórias reais, ou quase, vividas por seus integrantes.
A banda teve várias formações - Ricardo Fontes, Paulo Quati, Glaucio Castro, Gustavo Saba, Marcelo Teixeira, Waldo Dalvi, Durval Gomes (foto) e encerrou seus trabalhos em 2005.

Atração 15/10/2007


V. O blues feito no Brasil

01. Blues Etílicos - Completando 20 anos na estrada, o Blues Etílicos apresenta a “versão nacional” de um dos mais tradicionais gêneros da música popular norte-americana. Muito antes da tão falada fusão de ritmos, o Blues Etílicos reinventava o blues ao melhor estilo brasileiro. Com dez CDs lançados, é a banda de blues brasileira a mais tempo em atividade e com as maiores vendagens de discos no segmento. Com praticamente a mesma formação desde 1987 (Greg Wilson, guitarra e voz; Flavio Gimarães, gaita e voz; Otávio Rocha, guitarra e voz e Cláudio Bedran, baixo), à exceção da entrada do baterista Pedro Strasser em 1994 no lugar de Gil Eduardo e da participação do vocalista Vasco Faé entre 2003 e 2005, a banda manteve sua carreira ininterrupta realizando mais de 1.500 apresentações em todo Brasil e grande parte da América do Sul. Participou de todos os festivais de blues que aconteceram no país, abrindo shows para B. B. King, Buddy Guy, Robert Cray, Magic Slim, Sugar Blue e muitos outros. Atualmente está em turnê de lançamento de seu recente álbum, Viva Muddy Waters, pelo selo Delira Blues.

Atração 15/10/2007


IV. Entrevista - RENATO ZANATA

A partir desta edição, o Blues com Z, começa um novo quadro no programa. São as entrevistas com músicos e pessoas envolvidas com o blues no Brasil. Nosso primeiro bate-papo é com o guitarrista e compositor niteroiense, RENATO ZANATA, que vai falar sobre seus projetos, composições e a realidade do blues carioca. Intercalando o pate-papo, rolaremos algumas de suas composições e uma canja ao vivo. Para conhecer melhor o trabalho de Zanata acesse seu blog, o NanquimMaldito http://www.nanquimaldito.blogspot.com/ e o http://www.myspace.com/zanatabluestrio




Atração 15/10/2007


III. Blues Rock Underground

05) Rick Derringer - Guitarrista, cantor e compositor Richard Zehringer nasceu em Celina, Ohio, em 1947 e iniciou sua carreira profissional em 1965 com a banda The McCoys.No início da década de 70, já tendo adotado o nome artístico de Rick Derringer, tocou na banda de Johnny Winter e, posteriormente, também na banda de Edgar Winter.Com Johnny Winter, Derringer além de tocar guitarra, também produziu alguns discos. Seu primeiro sucesso foi "Rock'n'Roll Hoochie Koo", que Johnny gravou no álbum "Johnny Winter And" em 1970 (no mesmo disco também havia "Funky Music", outra composição de Rick).Em 1972, Rick Derringer participou do álbum "Roadwork" de Edgar Winter, outro trabalho muito bem conceituado pela crítica. Seu sucesso com os irmãos Winter credenciou Rick Derringer a montar sua própria banda.Em 1974 ele lança seu primeiro álbum solo, "All American Boy", onde fez uma versão bem diferente da já conhecida "Rock'n'Roll Hoochie Koo", mais pesada e rockeira que o blues de Johnny Winter.Além de lançar vários álbuns e excursionar, Rick também colaborou com vários artistas como Alice Cooper, Steely Dan, Todd Rudgren, Joe Lynn Turner e Pat Travers. A banda de Rick Derringer é tipicamente "estradeira", chegando a fazer 200 shows por ano.Ainda assim, Derringer consegue tempo para trabalhar também como produtor, já tendo trabalhado com gente tão diversa quanto Meat Loaf, Kiss, Cyndi Lauper e Bette Midler.Apesar de seus primeiros álbuns solo serem mais característicos de hard rock, ultimamente Rick Derringer tem mergulhado no blues.

Atrações 15/10/2007

III. Blues Rock Underground

04. Hot Tin Roof Bluesband (Telhado de Zinco Quente) - Banda norueguesa formada em 2004 por Ron Vodal, guitarra; Even Bratli, baixo; Svein Ringstad, na gaita-blues e Svain Erik Brateli, na bateria. São quatro músicos de diferentes estilos e que comungam a mesma paixão pelo blues. O grupo tem um demo com 10 canções, entre clássicos do gênero e autorais e, possuem boa reputação em toda Europa.

Atração 15/10/2007

III. Blues Rock Underground

03. Jesús Figueroa - É o maior nome do Blues Rock uruguaio. Em 1970, entrou para a banda argentina Opus Alfa, (Jesús Figueroa, Daniel Bertolone, Jorge Barral, Jorge Graf e Atilano Gil Losada), banda pioneira em compor e interpretar rock e blues em castelhano. Em 72, gravou seu primeiro disco solo, "Jesus Con Todos" (foto) e se tornou célebre em seu país. Em 75, devido ao regime milita, emigra do Uruguay e por um bom tempo é considerado desaparecido e dado como morto. Em 1999, depois de 24 anos, Jesús volta ao seu país e grava o cd "Azulema" com os melhores músicos celestes e todo seu arsenal de influências com bases no blues.

Atração 15/10/2007

III. Blues Rock Underground

02. Javier Bátiz - Em 1957, Batiz, fundou em sua natal Tijuana um grupo clamado LOS TJ'S, banda de couver que tocava fielmente as influências musicais que recebiam através das cidades fronteriças mexicanas e da música negra, blues e R&B de gente como T Bone Walker, Muddy Waters, B.B. King, Chuck Berry, Howlin Wolf, James Brown, entre outros. Bátiz se mudou para a capital do México ainda adolescente e sua escola musical foram os grupos que formaria sempre cantando em inglês, coisa abominada pelos diretores musicais das companhías discográficas locais. Em 1963, formou seu primeiro grupo, os "Rebeldes do Rock" ,representados pelos irmãos Tena (Waldo, Americo e Polo). Bátez foi considerado por Carlos Santana seu maior mestre. Durante os últimos 40 anos, Bátiz segue na estrada, cantando em espanhol e é, em seu país o maior nome do blues rock mexicano.